Vale S/A terá de pagar R$ 100 mil a namorada de morto pela lama em Brumadinho

Aloísio Morais

A mineradora Vale S/A terá de indenizar em R$ 100 mil, por danos morais, a namorada de um trabalhador que morreu em consequência do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Grande Belo Horizonte, em 25 de janeiro de 2019. Nada menos que 272 pessoas morreram ao serem atingidas pela lama.

A decisão é do juiz convocado Mauro César Silva, que teve seu voto seguido pelos julgadores da 5ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Minas Gerais (TRT-MG), confirmando a sentença do juízo da 6ª Vara do Trabalho de Betim. O processo foi enviado ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), já que a Vale recorreu.

Conforme a decisão judicial, a mulher alegou que tinha um relacionamento duradouro com o homem, com casamento marcado para maio de 2020. Depois da morte dele, ela passou a ter acompanhamento psicológico, devido aos traumas sofridos Ela juntou ao processo trabalhista fotos do casal, comprovando que existia uma vida em comum.

Uma testemunha confirmou em juízo o relacionamento dos dois. A testemunha, que é casada há 12 anos com o irmão da vítima, disse que convivia com o casal desde 2013, quando eles começaram o namoro. Segundo ela, o casal tinha planos para efetivar a união.

“Uma vez, no réveillon realizado na minha casa, em 2018, o profissional vitimado perguntou se poderia utilizar o mesmo espaço para formalizar o noivado”, informou a testemunha, lembrando que o casamento já estava marcado para 9 de maio de 2020. Ela informou ainda que a cunhada participava de encontros de família, almoçando, com frequência, na casa da sogra aos domingos.

O juiz convocado reconheceu, ainda, como razoável o valor de R$ 100 mil fixado pelo juiz de primeiro grau.

Compartilhar: