Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil, São Paulo

O futuro da carne cultivada

Publicado em 25/06/2021

Fonte:


Pesquisadores da China, Índia e Suíça tentaram descobrir se as diferenças culturais influenciam a aceitação da carne cultivada quando se trata de sustentabilidade e segurança.

Os pesquisadores concluíram recentemente um estudo exploratório sobre as atitudes dos consumidores em relação ao futuro da carne. Os participantes do estudo vieram de quatro países: China, Índia, Colômbia e Suíça. A partir do estudo, os pesquisadores deduziram que a ideia de carne para muitas pessoas está centrada nas “partes musculares dos animais”. No entanto, dependendo da formação cultural do participante, nem todos os animais ou partes de animais foram considerados carne.

O estudo teve como objetivo identificar as dúvidas e preocupações dos consumidores sobre a carne cultivada. A carne cultivada é cultivada em laboratório a partir de células animais. Às vezes é chamada de carne cultivada em laboratório ou limpa. A carne cultivada não requer o abate de animais nem tem o grande impacto ambiental que a pecuária tradicional tem.

Muitos dos participantes do estudo viam a carne cultivada como uma tecnologia ao invés de um alimento. As emoções e concepções em torno da carne cultivada costumavam ser condicionadas por condicionantes culturais. Os participantes também pesam os benefícios potenciais percebidos contra seu ceticismo sobre o valor nutricional e a segurança.

O estudo foi realizado porque enquanto a população mundial aumenta a uma taxa constante de 85-90 milhões de pessoas nascidas a cada ano, o consumo de carne não aumenta. A Organização para Concentração e Desenvolvimento Econômico concluiu que o consumo de carne aumentou mais rápido do que a taxa de crescimento populacional. Outros estudos mostraram que o consumo de frutos do mar e peixes aumentou de maneira semelhante. Com a população mundial estimada em 9 bilhões em 2050, a indústria da carne teria que aumentar sua produtividade em 50-73% para acompanhar a demanda atual.

Projeções e modelos de aumento da população mundial têm mostrado que os sistemas alimentares globais podem fornecer nutrição suficiente para 10 bilhões de pessoas até 2050. Mas esses modelos mostram que isso será quase impossível de conseguir, mesmo com pequenos aumentos no consumo de carne e laticínios.

Os efeitos da pandemia COVID-19 ameaçam o suprimento de alimentos de populações vulneráveis ​​e a carne cultivada pode se tornar uma solução mais viável para muitos consumidores globais. Em dezembro de 2020, Cingapura foi o primeiro país do mundo a aprovar a venda de carne produzida em laboratório.

O estudo revelou que muitos dos participantes associaram a carne cultivada com seus benefícios potenciais para a saúde e sustentabilidade. A ampla aceitação da carne cultivada ainda está se adaptando à medida que mais pesquisas e cobertura ocorrem. 90% dos participantes do estudo declararam que estavam dispostos a integrar carne cultivada em seu menu, em graus variados. Mais da metade desse grupo irá substituir completamente a carne tradicional ou incluir os dois tipos de carne em proporções iguais em sua dieta. 

Ao longo do estudo, os participantes mostraram que há uma falta substancial de informações que o consumidor médio tem sobre a carne cultivada. O que pode mostrar que a aceitação geral da carne cultivada aumentaria com a educação geral.

A FUNIBER patrocina diversos programas universitários para a formação do desenvolvimento sustentável. Por exemplo, o mestrado oferecido é a especialização em educação ambiental.

Fontes: El concepto cultural de carneSingapur aprobó la carne cultivadaEstado de la alimentaciónProducción de mariscos

Foto: Todos os direitos reservados

Fonte: FUNIBER

Compartilhe agora com seus amigos