Sem categoria

Trabalhadores e trabalhadoras de Minas gritam: “Vale assassina”

“Vale assassina”. Este era um dos cartazes que os manifestantes afixaram nessa quinta-feira em frente ao prédio Memorial Minas Gerais – Vale, na praça da Liberdade, em Belo Horizonte.

O protesto reuniu várias centrais sindicais e movimentos sociais. A presidenta da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Estado (CTB-MG), Valéria Morato, pediu a prisão dos responsáveis por mais esse crime, que ela classificou como “assassinato coletivo”. Até o momento, já são 110 mortos e 238 desaparecidos.

“Nós da CTB, da CUT e de todas as centrais que estão aqui, vamos fazer de tudo para que esses criminosos sejam presos e esses trabalhadores tenham as suas vidas recompensadas. Não podemos descansar enquanto esses criminosos não forem presos pagando por mais esse assassinato coletivo”, disse ela. 

whatsapp image 2019 01 31 at 20.33.06

Segundo ela, é preciso conter a ganância da Vale que não mede esforços para acabar com o meio ambiente e soterrar a vida dos seus trabalhadores, explorando-os até a morte. 

Valéria Morato chamou a atenção também para os planos de privatização do atual governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Partido Novo). Ele já anunciou que pretende privatizar várias estatais, entre elas a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e a Companhia de Saneamento (Copasa).

whatsapp image 2019 01 31 at 20.33.04

“Nós precisamos cobrar dos deputados Estaduais eleitos que iniciam os seus mandatos agora em fevereiro. É o momento de lutar contra um governo que quer privatizar e entregar o Estado de Minas Gerais ao capital especulativo. O governo Zema já disse que a ordem do dia é privatizar a Cemig. Nós estamos vendo o que significou a privatização da Vale. São inúmeros acidentes, crimes e mortes. Não podemos nos calar”, disse ela. 

A presidenta da CTB-MG também se solidarizou com as famílias das vítimas de Brumadinho. Segundo ela, agora é uma etapa muito difícil para as pessoas que perderam os seus parentes. Os desaparecidos precisarão ter um atestado de óbito e muitas pessoas ainda não foram encontradas. Para Valéria, a causa dessas mortes foi soterramento e isso precisa constar no documento.  

Fotos: Anderson Pereira

CTB Minas 

Compartilhar: