Sem categoria

Funcionalismo ameaça parar por 24 horas no dia 6 de novembro

Cerca de 300 servidores ocuparam a portaria do Ministério do Planejamento no final da manhã desta terça-feira (14). Os manifestantes, que vieram de cinco estados, foram cobrar reposição de perdas salariais, jornada de trabalho de 30 horas e incorporação de gratificações.

O local só foi desocupado por volta das 13h, após o secretário de Recursos Humanos do ministério, Duvanier Ferreira, confirmar uma reunião com representantes dos servidores

Os servidores da Seguridade Social ameaçam parar em 6 de novembro, caso o governo não negocie as reivindicações da categoria. Pelo menos 300 servidores do Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), Ministério da Saúde, da Previdência Social, da Funasa, das Delegacias Regionais do Trabalho (DRTs) e do Programa Saúde da Família ocuparam a recepção do Bloco C do Ministério do Planejamento no início da tarde de ontem e causaram pequeno tumulto.

Os manifestantes aguardaram por duas horas e só saíram do prédio do Planejamento com a garantia de reunião com o secretário de Recursos Humanos, Duvanier Paiva. Entre os pedidos, os servidores querem reposição salarial, jornada de 30 horas e incorporação de gratificações.

“Entregamos as reivindicações em agosto e ainda não foram abertas negociações por parte do Governo que também não cumpriu integralmente os acordos assinados”, reclamou Moacyr Lopes, da Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores da Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps).

“Vamos fazer uma paralisação de 24 horas em 6 de novembro caso o Governo não comece a negociar com a categoria. Devemos ter apoio de outros setores insatisfeitos”, garantiu

Emendas

Os servidores também pedem apreciação das emendas sugeridas pela Fenasps à Medida Provisória 441, encaminhadas na semana passada à Câmara dos Deputados e que ainda não foram avaliadas pelo Congresso.

Uma das emendas sugere a reabertura do prazo de opção à carreira de Seguro Social (INSS) e para a Seguridade Social (Saúde, Previdência Social, Funasa e DRT), que permitirá acesso à correção monetária de 47,11% no vencimento base, acordada em 2001. Esse reajuste, na opinião da federação, se perdeu na elaboração da medida provisória antes que fosse cumprida integralmente.

Também fazem parte da lista de pedidos de alteração na MP: paridade entre ativos e aposentados da seguridade social, extensão de gratificações (Gecen e Gacen) para todos os servidores da Funasa, pagamento de gratificação de desempenho a servidores cedidos, entre outras.

No dia 16, às9h, haverá concentração e Ato Público Nacional em frente ao Ministério do Planejamento, na Esplanada dos Ministérios, bloco “C”. Será entregue a pauta de reivindicações das categorias ao Secretário de Recursos Humanos.

Vídeo: Clique para assistir as imagens da manifestação


Portal CTB com Diap e G1

Compartilhar: