Upes diz que violência não tirará estudantes da luta contra os ladrões da merenda

Manifestantes na Câmara Municipal de Mauá em defesa da CPI da Merenda já

Em vídeo divulgado nas redes sociais, o presidente da União Paulista dos Estudantes Secundaristas (Upes), Emerson Santos, o Catatau, diz que a Guarda Civil Metropolitana de Mauá, no ABC Paulista, “bateu gratuitamente” nos jovens que ocuparam a Câmara Municipal da cidade em defesa de instauração da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Merenda, nesta terça-feira, 2 (acesse aqui).

Ele agradece as mensagens de solidariedade e afirma que essa truculência “fortalece a luta”. E complementa dizendo que os estudantes secundaristas “continuarão ocupando os espaços que forem necessários em defesa de uma educação de qualidade e na caça de todos os ladrões da merenda”.

Veja o presidente da Upes, Catatau 

Os Jornalistas Livres mostram um vídeo com a truculência policial. “Mesmo depois de ter levado cacetadas, estar rendido e com a cabeça sangrando, Catatau – que chorava de dor – foi posto de joelhos por um brutamonte que quase quebrou seu braço”, diz texto deles.

O presidente da Câmara de Mauá, Marcelo Oliveira (PT) disse ao “Diário do Grande ABC” que “toda manifestação tem de ser respeitada. Mas começaram a jogar algumas coisas e depois pularam no plenário e a guarda está aqui para quê? Para tomar conta do patrimônio. A maioria dos manifestantes é candidato a vereador”.

Assista a violência contra os estudantes em Mauá (SP) 

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

Compartilhar: