Sem categoria

Luiza Bezerra representa a CTB no conselho da UNE e defende a educação como prioridade

Luiza Bezerra, secretária da Juventude Trabalhadora, representou da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) no 66º Conselho Nacional de Entidades Gerais (Coneg) da União Nacional dos Estudantes (UNE), de 20 a 22, em São Paulo.

“A educação está em clima de terra arrasada com o governo de Michel Temer”, diz Luiza. “Estão acabando com a educação pública, cortando investimentos em pesquisas, em ciências. Com isso, quem tem a chance está saindo do país”.

Ela lembra ainda da Emenda Constitucional 95, que congela por 20 anos os investimentos nas áreas sociais e nos salários das servidoras e servidores públicos. “A EC 95 arrasa com a educação, com a saúde e com todos os projetos para a participação da juventude nas questões importantes para o país”, acentua.

“Somente nas universidades mais de 170 mil estudantes pararam com seus estudos por falta de condições financeiras e ainda o governo dificulta o funcionamento do Fies (Financiamento Estudantil)”, reforça. “Muito importante também impedir que Temer vete a parte da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2019, que garante investimentos para o cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação”.

A sindicalista defende ainda uma maior aproximação da CTB com o movimento estudantil para “barrar a ofensiva conservadora e neoliberal contra a juventude”. Ela lembra que a mortalidade infantil voltou a crescer no país, depois de 30 anos em queda.

“O crescimento vertiginoso do desemprego e da subocupação com a aprovação da reforma trabalhista piora sensivelmente a vida das pessoas causando desalento e adoecimento”, garante.

Por isso, afirma Luiza, “a educação deve ser entendida com um setor estratégico para o desenvolvimento do país e assim ajudar a sociedade a encontrar soluções viáveis para os problemas que nos afligem e tiram a autoestima das pessoas, essencialmente dos mais jovens”.

Ela defende ainda que se “batalhe firme para eleger uma bancada progressista ao Congresso Nacional e um presidente ou presidenta que tenha compromisso com a revogação da reforma trabalhista e com um projeto de desenvolvimento voltado para os interesses nacionais”.

É essencial também, para a sindicalista, ampliar a mobilização e organização para a defesa da vida da juventude que está sendo morta nas periferias das grandes cidades. “Sem uma educação democrática e voltada para a inclusão e sem políticas específicas para a juventude, o país vai de mal a pior”.

Marcos Aurélio Ruy – Portal CTB

Compartilhar: