Sem categoria

CTB-SE encerra Congresso, elege nova direção e aprova plano de lutas

Dois dias de amplo e rico debate sobre a conjuntura política, econômica e social, de eleição da nova diretoria e aprovação de um plano de luta a ser executado nos próximos quatro anos. Assim foi o 2º Congresso Estadual da CTB-SE, o maior desde a fundação da central no estado. No total, 180 delegados, dos quais 60 mulheres, trabalhadores e trabalhadoras do campo e da cidade, participaram do evento. 

Da abertura, bastante representativa, participaram representantes da CUT, UGT e Nova Central, UNE, Unegro, UJS, parlamentares e entidades do movimento social. Pascoal Carneiro, secretário de Previdência, Aposentados e Pensionistas da CTB, também participou do congresso da CTB-SE e fez uma análise aprofundada da conjuntura nacional.

Durante o congresso, a direção fez um balanço dos últimos quatro anos e apresentou um plano de lutas que prevê, entre outras ações, a ampliação do número de entidades filiadas, a manutenção da luta pela unidade das centrais sindicais, o fortalecimento da Frente Sergipana Brasil Popular e a construção de um projeto nacional e local visando as eleições de 2018.

Dever cumprido

“O congresso foi bastante positivo. Fizemos o debate de todas as pautas e aprovamos as resoluções e o plano de lutas que a próxima gestão vai implementar”, enfatizou o ex-presidente da CTB-SE, Edival Góes. O líder sindical esteve à frente da entidade por oito anos, desde a fundação da central no Estado,e garante que deixa a presidência com a consciência tranquila do dever cumprido.

“Fiz uma promessa a Souza, ex-presidente do Sindicato dos Bancários que nos deixou prematuramente em 2014,de construir uma central classista e conseguimos com muita articulação política e organização, e uma equipe de colaboradores devotados”, salientou.

O novo presidente da CTB-SE é Adêniton Santana Santos, diretor do Sindicato dos Bancários de Sergipe (Seeb-SE). Ele reconheceu que a sociedade vive um momento difícil, que a atual conjuntura política, econômica e social é adversa, mas que fará tudo para que a CTB-SE cresça ainda mais. Hoje há 46 entidades sindicais filiadas à central no Estado.

Unidade

Adêniton assumiu com o compromisso de manter a luta pela unidade das centrais sindicais. “Temos que esquecer as questões ideológicas em benefício da classe trabalhadora. Somos e seremos uma entidade plural que respeita as diferenças. Foi isso que nos fez crescer e ser hoje a terceira maior central do Brasil”, afirmou.

A secretária da Mulher Trabalhadora da CTB Nacional e presidenta do Sindicato dos Bancários de Sergipe, Ivânia Pereira, avaliou positivamente o congresso da CTB-SE. “Foi o maior congresso da central desde sua criação, com maior participação de entidades e delegados, e a presença forte do trabalhador do campo e da cidade, das mulheres e da juventude”, enfatizou.

Para Pereira, esse foi o congresso da unidade. “Construímos a composição da nova direção e dos delegados ao congresso na CTB Nacional em consenso. A avaliação da CTB nos últimos quatro anos foi positiva”, salientou. A dirigente sindical destacou ainda as merecidas homenagens a Edival pelo trabalho desempenhado à frente da entidade, por sua disposição firme na luta pelo socialismos, pelo Fora Temer e as Diretas Já.

Niúra Belfort – CTB-SE

Compartilhar: