Sem categoria

Apesar da manipulação midiática, usuários do metrô de São Paulo manifestam apoio à paralisação

Metroviários de São Paulo realizam uma paralisação de 24h, nesta quarta-feira (15), contra as reformas da Previdência e trabalhista, anunciadas pelo governo Temer. E apesar do posicionamento contrário da grande imprensa ao movimento, os usuários que encontraram a estação de metrô Itaquera fechada nesta manhã manifestaram apoio à mobilização e suas justas reivindicações.

Coordenado pelas centrais sindicais, o movimento de resistência atinge pelo menos 19 estados e protesta contra a extinção de direitos trabalhistas históricos e o desmonte da Previdência Social.

Para a analista de sistemas Isabel Trajano, 47 anos, que iria do Parque do Carmo à Paulista, apesar do prejuízo no transporte, “entendo o porquê da paralisação”. “Não acho viável ter que contribuir 49 anos para poder me aposentar. Querem que eu apresente certidão de óbito para pleitear a aposentadoria?”, ironizou.

isabel apoio

Para o conferente Erik Costa Santos, 24, que seguiria de Itaquera à Barra Funda, na zona oeste, “o trem parado cedo é que causou surpresa”. “Porque, se o governo quer tirar conquistas dos trabalhadores, sou a favor de que parem mesmo. Só acho que tinha que parar tudo”, opinou.

Na estação Jabaquara, linha 1-Azul, funcionários em greve estão dando explicações aos usuários de como eles podem chegar ao trabalho. Eles fizeram um discurso na frente da estação explicando às pessoas que o motivo da greve não é contra a população, mas para defender a aposentadoria de todos.

“A gente não quer prejudicar a população, mas quer defender os direitos dos trabalhadores”, afirmou o operador de trem da linha 1-azul, Altino de Melo.

Após o discurso, os funcionários chegaram a ser aplaudidos pelas pessoas que pediam informações sobre os trens.

jabaquara

Para Flávio Godoi, dirigente da CTB e secretário Jurídico do Sindicato dos Metroviários, apesar da manipulação da grande imprensa que tem apoiado as reformas, a população sabe o que está em jogo e não se deixará enganar.

“Queremos alertar a população para essas ameaças que tentam retirar direitos trabalhistas conquistados com muita luta. A reforma anunciada pelo Temer vai promover um desmonte do Sistema Previdenciário. Quem tem dinheiro faz um plano privado. Quem não tem vai morrer trabalhando”, alertou Godoi.

 

Portal CTB com agências

 

 

 

Compartilhar: