Sem categoria

Agriminas confirma ser o ponto de convergência e de valorização da agricultura familiar

A terceira edição da Agriminas – Feira de Agricultura Familiar de Minas Gerais, encerrada neste domingo, 13, confirmou ser mesmo o ponto de encontro e de divulgação dos produtos da agricultura familiar e de áreas de assentamentos de reforma agrária no estado. Durante quatro dias, de 10 a 13 de julho, a Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte, transformou-se na grande vitrine da produção familiar, com um diversificado leque de produtos procedentes de diversas regiões. A feira teve a presença de 95 municípios, representantes de todas as regiões de Minas, entre próximos à capital, como Ouro Preto, e outros tão distantes como Almenara, no norte do Estado, a  795 quilômetros de Belo Horizonte. Participaram 114 empreendimentos entre associações, sindicatos, cooperativas e famílias de produtores.

Diversidade – Alimentos diversos como queijos, bolos e bombons de frutas exóticas como buriti; cachaça, licores, peças em tear, bordados, acessórios em sementes e pedrarias, móveis em madeira e couro, peças para decoração em cerâmica e madeira e utensílios domésticos, entre muitos outros. A Agriminas mostrou a diversidade dos produtos da agricultura familiar e de assentados e sua riqueza em qualidade e criatividade, com o aproveitamento de inúmeras matérias-primas.
 
Boas vendas –  Vilson Luís da Silva, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Minas Gerais (Fetaemg), entidade promotora da feira, estima que os negócios realizados durante o  evento e aqueles a serem concretizados no pós-feira, a partir dos contatos feitos na Agriminas, cheguem a aproximadamente 3 milhões de reais. Ele estima que o público tenha chegado a cerca de 30 mil pessoas.
 
A feira cumpriu seus objetivos: vendas diretas para o consumidor no local e muitos contatos para vendas num futuro próximo, confirmam depoimentos de alguns expositores. “Trouxemos 250 peças de queijo e zeramos o estoque. Foi bom demais.  Divulgamos  nosso produto e fechamos contatos para colocar o queijo canastra em outros pontos de BH, como no mercado central.  A lição que  tiramos é que a Agriminas é uma vitrine para o pequeno produtor. Aguardamos com ansiedade a feira porque sabemos do seu potencial para divulgar o nosso produto”, relata Geraldo Martins, 32 anos, produtor de queijo canastra e associado da Aprocan (Associação dos Produtores de Queijo Canastra), que reúne produtores de  sete municípios na região de São Roque de Minas.
 
Representantes da Organização dos Amigos, Moradores e Produtores Rurais dos Costas (Omopruc), distrito de Barbacena, aguardam a próxima sexta-feira, 18, para selar oficialmente contrato de 150 mil reais com a Prefeitura de Contagem para o fornecimento de produtos para dois programas. Anderson Jesus Gavan, representante da Omopruc, otimista  com os contatos e as vendas realizadas na feira, informa que para o programa Ponto da Roça a Organização vai fornecer  roscas, biscoitos , licores, doces, geléias e artesanato. Para o restaurante popular, feijão, fubá, hortaliças e legumes.
 
Visibilidade – A Agriminas promoveu também a visibilidade do setor junto à sociedade e ao mercado, que pode conferir a diversidade e a qualidade da produção da agricultura familiar. “O balanço é positivo em todos os aspectos. Tanto pela divulgação, negócios, qualidade da feira e dos  produtos apresentados, quanto pela presença do grande público que praticamente lotou a feira todos os dias”, avalia satisfeito Vilson Luís, presidente da  (Fetaemg). Uma visibilidade que precisa “reverter para o setor mais atenção dos governos federal e estadual”, argumenta o dirigente, o que pode ser traduzido em “mais investimentos, crédito, assistência técnica e ações para melhorar a saúde e a educação no campo.”  A agricultura familiar responde em Minas,  assim como no Brasil, por 70% dos produtos que chegam à mesa da população.
 
Silva lembra que além das vendas diretas e dos contatos futuros, os agricultores puderam participar de rodas de negócios e palestras sobre temas como meio ambiente, qualidade do produto e certificação. Tudo para que possam adequar-se às normas do mercado e conquistar cada vez mais espaço. Ressalta  também o  sucesso das diversas atrações, como as oficinas sobre plantio de hortas em pneus, costura, utilização da folha de mamona e produção de peças em bambu, promovidas pela Emater-MG e que atraíram bastante a atenção do público.  Sucesso também na visitação ao público aos  museus do queijo e do morango, iniciativa também da Emater-MG. A Epamig participou com palestra sobre aquecimento global. “Para as pessoas que não conheciam o campo, trouxemos o campo para a cidade”, diz o presidente da Fetaemg.
 
A Agriminas 2008 foi promovida pela  Fetaemg e organizada pela Tecnitur, com o apoio da Contag, dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais, dos governos Federal e Estadual, da Codemig,  Senar e  Banco do Brasil.
 
Assessoria de imprensa

Compartilhar: