Sem categoria

Acontece hoje: mulheres negras e latino-americanas marcham por igualdade e democracia

Desde 1992, 25 de julho foi istituído como o Dia Internacional da Mulher Negra, Latino-americana e Caribenha, num encontro de mulheres negras na República Dominicana. Neste ano, as mulheres marcham em São Paulo nesta segunda-feira (25) com o tema Negras e indígenas em marcha, enfrentando o racismo, o machismo, o genocídio, o golpe, a lesbofobia e pelo bem viver.

A concentração para a marcha ocorre na Praça Roosevelt, centro da capital, às 17h e caminha até o Largo do Paissandú. Antes da marcha, porém, se apresentarão o bloco Ilú Obá De Min, Drika Ferreira, Luana Hansen, o coletivo Levante Mulher e os grupos Samba para a Marcha das Mulheres Negras, As Minas do Xequerê e Kazungi.

Confirmar presença pela página do evento no Facebook aqui.

mulheres negras caribenhas

Para Gicélia Bitencourt, secretária da Mulher Trabalhadora da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil em São Paulo (CTB-SP) a marcha deste ano ganha uma conotação mais forte devido ao “golpe misógino em marcha no país e as ameaças que pairam sobre a classe trabalhadora e suas conquistas”.

Ela afirma ainda que as mulheres são as que mais sofrem. “Negras e indígenas então sofrem duplamente”. Bitencourt lembra ainda que a marcha caminhará solidária às imigrantes que vieram ao Brasil “fugindo de perseguições e maus-tratos em seus países e aqui são proibidas até de se manifestarem, podendo até ser deportadas”.

Mônica Custódio, secretária de Promoção da Igualdade Racial da CTB, acredita na importância de “nos solidarizarmos com as imigrantes, que buscam aqui a reafirmação de sua identidade, através do trabalho e com isso tem ajudado muito no empoderamento da mulher negra”.

Ela lembra ainda que ocorreu em Salvador, o Seminário Mulheres Negras No Foco: Mídia, representação e Memória, que “visa a unificação das nossas lutas por igualdade”. Por isso, “é fundamental manter o tema da luta pelo bem viver, para darmos visibilidade às pessoas marginalizadas no país”, reforça.

Bitencourt realça a importância da marcha para fortalecer “a unidade dos povos latino-americanos, em defesa da democracia, das terras indígenas e de uma vida digna e com respeito aos direitos humanos para todas e todos”.

Portal CTB – Marcos Aurélio Ruy

Drika Ferreira e Luana Hansen cantam Lei Maria da Penha, de ambas

 

Compartilhar: