Sem categoria

A importância do tripé da seguridade social para a classe trabalhadora

Nas décadas de 70 e 80 existiu no Brasil o movimento da Reforma Sanitária em que se discutiu um novo modelo de saúde de nosso país que fosse universal contrapondo o modelo existente exclusivo para os trabalhadores com carteira assinada e seus dependentes.

Este movimento resulta na inscrição da saúde como direito social na carta constitucional de 88, a todos os cidadãos brasileiros, bem como definido no seu artigo 196: “A Saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas.”

A saúde, juntamente com a previdência social e assistência sócia, constituem o tripé da seguridade social da classe trabalhadora. Esses temas e a necessidade de se manter a universalização de atendimento a classe trabalhadora permearam as pautas do I Seminário de Seguridade Social da CTB.

Acompanhado por dirigentes sindicais representando 17 estados do país, o seminário que teve abertura ontem, 10/07, teve em sua sequência no segundo dia do seminário de debates e apresentação de temas como, “Proteção social e seguridade no Brasil e no Mundo. As lutas sociais e a consolidação dos direitos sociais na constituição de 88”, ministrado pela Profª. Drª. Aldaiza Sposati – PUC/SP, que apresentou detalhes sobre a seguridade no país e suas alterações ocorridas na Constituinte de 1988.

Hildinete Pinheiro Rocha, secretária de Previdência da CTB, coordenou os trabalhos apresentados na sequência dos temas e trabalhos apresentados. Outro tema que despertou grande interesse dos participantes: “A valorização Dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Consolidação das Políticas de Previdência, Saúde e Assistência Social”, apresentado por Flavio Tonelli e as palestras apresentadas pela Dra. Maria Maeno e pelo palestrante, prof. Dr.Edval Bernardino.

Propostas para elaboração de documento final

No encerramento do seminário, nesta sexta-feira, Carlos Rogério de Carvalho Nunes, Secretário de Políticas Sociais, Esporte e Lazer, e Hildinete Pinheiro Rocha, Secretária da Previdência, Aposentados e Pensionistas, abriram os trabalhos com a apresentação do documento que receberia propostas da CTB para a seguridade social para um projeto de desenvolvimento com valorização do trabalho.

di_caroline_junckesCaroline Junckes da Silva, da Direção Plena da CTB e da Secretaria do Trabalhador da CTB/SC apresentou o documento inicial para conhecimento dos participantes e para as propostas na elaboração do documento final.

Daí a importância da participação da classe trabalhadora nas instâncias de controle social locais, municipais, estaduais e nacional para fazer valer os direitos  de todos os trabalhadores e trabalhadoras e o bem-estar da população brasileira.

O fim do fator previdenciário esteve presente nas discussões e também nas sugestões dos sindicalistas participantes. Entre os itens incluídos, está o que propõe em “Desmistificar o discurso do déficit da seguridade”, uma vez que sob esse argumento o governo de FHC (1995-2002) decretou o fator previdenciário. Comprovou-se mais tarde que não havia déficit na previdência.

di_joel_maranhaoQuanto as propostas referentes a área da saúde, Joel Nascimento, secretário de saúde da CTB/MA, propôs que fosse incluído a medicina preventiva no SUS, uma vez que hoje só existe praticamente a assistencial. Joel ainda destacou: “Hoje não temos mais a medicina sanitária, preventiva que evitaria o agravamento em muitos casos de doença”.

Outra decisão dos participantes do seminário foi que o modelo do I seminário seja replicado nos estados de origem dos sindicatos filiados a CTB.

Outra iniciativa aprovada pelos participantes do seminário foi a criação do Coletivo Nacional de Saúde do Trabalhador, com reuniões ordinárias trimestrais para tratar das demandas especificas. Sugestão de coordenação, mínimo de três pessoas e no máximo de cinco integrantes.

 

 

 

 

Compartilhar: