Transportes: a espinha dorsal de uma greve geral

A exemplo da greve geral realizada em abril de 2017, o primeiro Dia Nacional de Luta contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro (22 de março) evidenciou a relevância dos transportes para a luta da classe trabalhadora. Onde ocorreram paralisações parciais dos ônibus, como em São Paulo, o movimento ganhou maior fôlego, força e repercussão.

Ficou mais uma vez claro que o setor ocupa uma posição especial, e estratégica, na economia. Sem ônibus, Metrô, ferrovias ou rodovias funcionando o processo de produção e distribuição das mercadorias inerente ao sistema capitalista entra em pane. Tal efeito transpareceu na greve dos caminhoneiros, realizada em maio do ano passado, que paralisou vários ramos da indústria de transformação e dos serviços.

Não apenas as categorias e os negócios diretamente ligados aos transportes são afetados pela mobilização como muitas outras atividades, especialmente no comércio e indústria.

Nas atuais condições, os transportes constituem a espinha dorsal de uma greve geral, no Brasil assim como em outros países. Conscientes disto, os dirigentes das centrais prometem dar uma atenção especial ao setor, cujas lideranças cogitam a realização de uma plenária nacional para debater os próximos passos da luta contra a reforma da Previdência, incluindo a possibilidade de greve geral.

Educação 

Professores e outros profissionais da Educação estão debatendo sobre a realização de uma greve nacional provavelmente já no próximo mês em defesa dos seus direitos previdenciários, seriamente ameaçados pela reforma de Bolsonaro. A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) deve propor o dia 26 de abril como data indicativa para a paralisação, que já conta com o apoio e solidariedade de todas as centrais sindicais. 

Compartilhar: