Parlamentares contra a reforma da Previdência

A luta contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro ganha reforço com a Frente Parlamentar Mista. O movimento começa forte e conta com a adesão de mais de 170 deputados e 27 senadores.

A intenção é ampliar a resistência pela manutenção dos direitos sociais e por uma reforma estrutural de captação de recursos nos termos da atual legislação, para garantir segurança jurídica e atuarial do sistema de seguridade social brasileiro.

Uma das principais críticas dos parlamentares diz respeito à capitalização. Como O Bancário vem alertando, o sistema financeiro é o único beneficiado. Com o modelo, cada trabalhador terá de financiar a própria aposentadoria. Caberá aos bancos administrar a “poupança”.

Nos países que adotaram o sistema, como o Chile, milhares de idosos vivem hoje na miséria. Cerca de 80% dos aposentados recebem menos de um salário mínimo (US$ 424,00) de benefício e quase metade (44%) está abaixo da linha da pobreza.

A reforma aumenta ainda a idade mínima para aposentar. Para as mulheres sairá de 60 para 62 anos. Já os homens terão de trabalhar até os 65 anos. Todos os trabalhadores terão de contribuir no mínimo 20 anos. Hoje o tempo mínimo de é 15 anos. Para receber 100% do benefício, terá de atingir a idade mínima e ter 480 contribuições, ou seja, ter trabalhado por 40 anos.

 

Fomnte: bancariosbahia.org.br

Compartilhar: