PM bolsonarista reprime ato pró-democracia e protege neofascistas

Várias capitais brasileiras foram palco de manifestações em defesa da democracia no domingo (31). É a primeira vez que isto ocorre neste tempo de pandemia, que forçou o isolamento social e retirou das ruas os movimentos sociais, bem como os militantes de partidos e organizações democráticos e populares.

Mas torcedores dos principais times brasileiros e algumas organizações democráticas decidiram quebrar o jejum. Esquecendo as rivalidades esportivas, torcedores do Corinthians, Palmeira e Santos marcharam juntos pela Avenida Paulista em São Paulo.

No Rio, flamenguistas ocuparam a praia de Copacabana. Em outras cidades do país também ocorreram atos em contraposição aos neofascistas que defendem Bolsonaro, o fim da democracia e a instalação de uma ditadura militar no país.

Também foram registrados atos em defesa da democracia, paralelamente aos dos bolsonaristas, em Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Salvador (BA) e Vitória (ES).  

PM bolsonarista

Os bolsonaristas, que não respeitam a quarentena, já estavam se julgando donos das ruas e os protestos do domingo revelaram que não passam de uma ruidosa minoria, constituída em grande parte por empresários e militares de extrema-direita.

PM reprime ato de torcidas organizadas por democracia em SP ...
PM paulista reprimiu apenas a militância do ato pró-democracia

A PM não gostou da novidade e, a pretexto de defender a ordem, agiu claramente para dispersar e reprimir duramente, à base de balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio, as manifestações pró-democracia e proteger bolsonaristas em São Paulo e no Rio de Janeiro.

A assimetria do tratamento atribuído pelos policias aos dois grupos transpareceu nas imagens transmitidas pelas redes sociais e canais de televisão. Na Avenida Paulista só os antifascistas foram alvo dos disparos, perseguições e prisões promovidas pela PM.

Polícia reprimiu duramente, mas só um dos lados

O programa Fantástico, da Globo, mostrou cenas do protesto do Rio de Janeiro e exibiu um vídeo em que o deputado federal bolsonarista Daniel Silveira (PSL-RJ) conversa com um PM e combina a repressão contra quem protestava contra Bolsonaro e defendia a democracia.

Avanço do neofascismo

Neste ambiente, o obscurantismo avança impune. No mesmo dia, o presidente participou em Brasília de ato colorido por faixas pedindo intervenção militar e o fechamento do STF e do Congresso Nacional.

Repercussão: após manifestação pró-regime militar, Bolsonaro sofre ...
O presidente na manifestação pelo fechamento do STF e do Congresso

Na madrugada, uma pequena matilha de bolsonaristas liderada pela líder do grupo “neofascista 300 por Brasil” Sara Winter promoveu uma manifestação com tochas contra o STF na capital federal. Foi uma alusão ostensiva à  Ku Klux Klan, organização racista dos EUA, e ao nazismo, que também promoveu marchas com tochas. “Viemos cobrar, o STF não vai nos calar. Careca tocado, Alexandre descarado. Ministro, covarde, queremos liberdade. Inconstitucional, Alexandre imoral”, repetiram em diversos momentos.

Video: Câmera do STF mostra que manifestação dos '300' não reuniu ...
Gatos pingados no ato nazista com velas contra o STF

Herança da ditadura

A conduta dos policiais militares, com o respaldo dos seus comandantes e  dos governadores, reflete uma herança perversa da jovem e frágil democracia brasileira, que não ajustou contas com o regime militar, conciliou com os torturadores e não se deu ao trabalho de reeducar as corporações policiais, acostumadas ao arbítrio, crimes, truculências e impunidades da ditadura.  

É algo bem diferente do que ocorreu na vizinha Argentina, onde generais transformados em presidentes no regime foram parar na cadeia. O ditador argentino Jorge Rafael Videla morreu na prisão em 2013. Pagaram caro pelas barbaridades que cometeram. Por aqui os crimes praticados permanecem sem castigo e esta é uma das razões que explicam um presidente da República que enaltece a tortura e alimenta o neofascismo.

Somos 70%

No armário durante muitos anos após o fim da ditadura militar no Brasil, em 1985, a extrema direita reemergiu no cenário político com as manifestações de junho de 2013, 2014 (“Não vai haver golpe”) e 2015, que abriram caminho ao golpe de 2016.

Chegaram ao governo com Bolsonaro, mas almejam o poder absoluto e agora tramam à luz do Sol e das velas contra a democracia e pela imposição de um regime neofascista. Mas são minoria, embora com o apoio de oficiais de pijama, renitentes viúvas da ditadura.

Somos 70% contra Bolsonaro e a matilha neofascista. Não passarão.

Umberto Martins

Compartilhar: