O caos no metrô e a irresponsabilidade do Governo Estadual

Na última terça-feira (04), assistimos a mais um triste capítulo da problemática história de nosso transporte público sobre trilhos. Uma pane na linha vermelha do metrô paralisou as operações por horas. Resultado: estações e vagões lotados, usuários andando pelos túneis, gente passando mal, brigas e discussões entre passageiros e funcionários. Os problemas no sistema são recorrentes, mas este episódio em especial mostrou o risco que oferecem à vida da população e dos funcionários.

O mais grave, no entanto, é a postura do governo estadual. Logo após o ocorrido, o governador Geraldo Alckmin e o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, deram declarações que colocaram sobre os usuários que acionaram o sistema de emergência a culpa pelo caos. Porém, o fato central é que as pessoas estão cansadas de pagar caro por um sistema ineficiente, que vive lotado e sofrendo panes. E isso ocorre porque o governo estadual, comandado há duas décadas pelo PSDB, investe pouco e mal na ampliação e na melhoria da malha.

Exemplo desse mau investimento são as denúncias de corrupção envolvendo servidores e autoridades estaduais em benefício de empresas multinacionais. Se estes fatos forem confirmados, como indicam as investigações, ficará evidente que boa parte dos problemas enfrentados hoje pela população está diretamente ligada ao desvio de milhões de reais que poderiam estar sendo aplicados no desenvolvimento do sistema. Ainda assim, o governo tenta minimizar as denúncias e barrar a criação de CPI na Assembleia Legislativa.

A situação atual deixa clara a urgência de o governo enfrentar os problemas no metrô e nos trens, dando um basta nesse caos. Afinal, a população, que sustenta o Estado, tem o direito a um transporte digno, seguro e de qualidade.

Alcides Amazonas é condutor e deputado estadual pelo PCdoB

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

Compartilhar: