Mesmo sob tortura, Folha bajula Bolsonaro

Por Altamiro Borges

Na sua ofensiva desesperada para coibir qualquer trabalho jornalístico, o “capetão” Jair Bolsonaro escolheu a Folha de S.Paulo, um dos jornais de maior tiragem do país, como um dos principais alvos da sua fúria rotineira. Quase toda a semana, ele dispara a sua arminha contra o veículo ou humilha algum dos seus repórteres. Nas últimas semanas, porém, ele passou do piriri verborrágico às ações práticas para asfixiar financeiramente a Folha. O tal “espírito republicano”, tão badalado pelos governos Lula e Dilma, não habita o universo do fascistoide.

Mesmo assim, o jornal da famiglia Frias ainda bajula o “capetão”. Critica seus retrocessos nos costumes e sua postura autoritária na política, mas elogia sua agenda ultraneoliberal na economia. Nessa terça-feira (5), por exemplo, a Folha publicou um editorial de nauseante puxa-saquismo intitulado “Na direção correta”. O texto serviu para explicitar, pela enésima vez, o apoio à “ambiciosa agenda de reformas” de Paulo Guedes, que hoje é peça-chave no laranjal de Jair Bolsonaro. O jornal deu total respaldo ao “pacotaço” de austericídio fiscal que deve reduzir a qualidade dos serviços públicos, arrochar os salários e aumentar o desemprego no país.

Um dia antes, em outro editorial chapa-branca intitulado “Uma grata surpresa”, a Folha foi só elogios à turnê do “capetão” a países asiáticos. “A viagem a cinco países registrou um balanço de pragmatismo e de correção diplomática inauditos até aqui na gestão bolsonarista… É desse tipo de iniciativa, e não de hienas imaginárias ou ataques histéricos à imprensa, que deveria ser composto o cardápio de viagens presidenciais”. Apesar de nada de muito concreto ter sido firmado na China ou na Arábia Saudita, a Folha é pura bajulação.

Asfixia financeira do jornal
O que explica essa postura esquizofrênica? Sob tortura, o jornal da famiglia Frias se ajoelha e beija os pés do fascista. Faz apelos por moderação na política, mas torce pelo sucesso do laranjal na economia e ainda prega maior radicalidade na agenda ultraneoliberal. Com essa maluquice, a Folha pode falir antes da instalação do “paraíso capitalista” no país. Só nas últimas semanas, o jornal sofreu duros baques na sua sustentação. Entre outras medidas vingativas, o “capetão” ordenou o cancelamento das assinaturas do jornal nos vários órgãos de governo e sugeriu que os empresários “bolsonaristas” rompessem os contratos de publicidade.

A decisão de cancelar as assinaturas foi anunciada pelo próprio “capetão” em entrevista ao jagunço José Luiz Datena, da Band, na quinta-feira passada (31). “Determinei que todo o governo federal rescinda e cancele a assinatura da Folha de S.Paulo. A ordem que eu dei [é que] nenhum órgão do meu governo receba o jornal. Está determinado… Espero que não me acusem de censura. Quem quiser comprar a Folha, o assessor dele vai lá na banca, compra e se divirta. Eu não quero mais saber da Folha de S.Paulo, que envenena meu governo”.

No mesmo dia, em sua live nas redes sociais o fascistoide voltou ao assunto e deu recado aos anunciantes do diário. “Não vamos mais gastar dinheiro com esse tipo de jornal. E quem anuncia na Folha de S.Paulo presta atenção, está certo?”, rosnou em tom de ameaça. Diante das agressões, o jornal emitiu nota lacônica em que “lamenta mais uma atitude abertamente discriminatória do presidente”. Já o subprocurador Lucas Furtado, que atua junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), pediu à corte que apure possível desvio de finalidade na ordem presidencial, afirmando que o cancelamento de assinaturas se presta à “perseguição política do jornal”.

Essas respostas brandas, porém, não contêm os ataques do fascistoide. Segundo matéria publicada na Folha nesta segunda-feira (4), “o Itamaraty retirou o jornal do clipping acessado diariamente pelos funcionários do ministério. O clipping reunia notícias de diversos veículos de mídia nacionais e internacionais e a Folha passou a ser o único dos grandes jornais que não está incluído. Segundo o Ministério de Relações Exteriores, ela foi excluída por causa da determinação do presidente Bolsonaro”. Mesmo assim, sob tortura, a Folha segue defendendo “a direção correta” do governo. Sua visão ultraneoliberal na economia pode conduzi-la em breve à morte!

Sobre essa esquizofrenia, vale conferir o corajoso artigo do humorista Gregorio Duvivier, publicado na própria Folha nesta quarta-feira (6):

*****

Na direção certa 
O que é um naufrágio pra quem mora no aquário?

Amo este jornal que você tem em mãos. E amo o ritual de abri-lo todo dia de manhã, pra espanto da minha filha, que não entende a graça dessas letrinhas tão pequenas sob fotos tão grandes de gente tão séria, e pra desgosto da minha conge, que não entende a graça de gerar essa quantidade de lixo por dia.

“É como se você jogasse um livro fora toda manhã.” Tento argumentar: “A gente também usa pro cocô do cachorro!”. Ao que ela argumenta, com razão, que a gente não tem cachorro.

Gosto tanto deste jornal que tenho feito campanha pra que as pessoas o assinem. Tem ótimos repórteres e cronistas espetaculares e quadrinistas geniais e articulistas de todos os espectros políticos excluindo o terraplanismo —que não precisa ser contemplado por ele já estar no poder.

Ledo engano. O editorial da Folha de ontem mostra que a cúpula do jornal continua acreditando no governo até debaixo d’água. O que é um naufrágio pra quem vive no aquário? A velhinha de Taubaté que escreveu o editorial segue confiante e esperançosa de que o governo está “na direção certa”. Faltou dizer pra onde. Pro quinto dos infernos, talvez.

Os números não parecem concordar com a Folha. Mas o que são números perto da fé? “É preciso tempo”, diz o editorial. Ou quem diz é Paulo Guedes. Já não sei, de tanto que o editorial parece um release. O aquário finge não saber que os cortes que ele elogia incidem sobre educação, ciência e meio ambiente.

Bolsonaro odeia a Folha —e já disse que, no seu governo, “não vai ter Folha de S.Paulo”. A Folha morde Bolsonaro, mas sopra Paulo Guedes, como se os dois não fossem a mesma coisa.

Paulo Guedes não se aliou a Amoêdo, Alckmin, Marina, ou qualquer liberal “republicano” e tem um motivo pra isso: ele sabe que não se cortam direitos sem um projeto autoritário e moralista.

Não à toa, o modelo de Paulo Guedes pra “modernizar o Estado” é o Chile de Pinochet. Ninguém nunca conseguiu tirar direitos sem prender oposição e matar pobre. Quando os direitos somem, logo logo começa a sumir gente.

Na véspera a Folha já tinha classificado de “uma grata surpresa” o tour em que Bolsonaro bajulou o ditador saudita que mandou matar jornalista.

“Temos muito em comum”, disse Bolsonaro sobre o príncipe. Levando em conta os passaralhos, um governo que mata jornalista pode poupar um trabalho pro jornal. Reduziria o inchaço.

* Gregorio Duvivier é ator e escritor. Também é um dos criadores do portal de humor Porta dos Fundos.

Via Blog do Miro

Compartilhar: