Desafios dos deputados em São Paulo

Hoje venho falar com você sobre a atuação dos deputados na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp). Entre os 94 deputados estaduais, mais de 2/3 compõe-se de empresários, latifundiários ou representantes de banqueiros. E essa maioria mantém laço estreito demais com a péssima administração do governador Geraldo Alckmin do PSDB.

Por isso, não se consegue instaurar nenhuma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar supostos ilícitos no âmbito do governo estadual como a corrupção envolvendo as obras do Metrô e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e a crise do abastecimento de água como São Paulo jamais viu igual.

Por causa desses e de outros desmandos no estado é que lancei minha candidatura à Alesp neste ano. Atendendo pedidos do meu partido o PCdoB e de inúmeros amigos. E também para ajudar a eleger um número mais substancial de representantes da classe trabalhadora para o legislativo estadual.

Não dá mais para ficar como está. O PSDB (des)governa São Paulo há 20 anos, as acusações de corrupção são gritantes e nenhuma investigada e óbvio ninguém punido. É tudo uma confraria de amigos, onde para eles pode tudo e para os oposicionistas somente a repressão policial e o descaso.

Sou candidato para ajudar nessa luta. Os trabalhadores e trabalhadoras de São Paulo precisam unir-se para dar um basta em tanta falta de vergonha. A educação pública estadual piora a cada ano, dificultando a possibilidade de futuro melhor para nossos filhos. A saúde pública nem se fala. Se dependermos do governo de São Paulo morremos à míngua.

Mesmo após a tantas manifestação no ano passado, o transporte público sob responsabilidade do estado continua péssima. Os trabalhadores e trabalhadoras são transportados de casa para o trabalho e no caminho de volta, nos horários de pico, feito “sardinha em lata” e ainda sempre com lentidão. Seja no Metrô, trens ou ônibus.

Isso tudo porque ainda não falei na insegurança em que vivemos. O estado tem uma polícia despreparada, mal remunerada e truculenta nas periferias das grandes cidades. A política de segurança do estado segue a norma dos tucanos que governam para os ricos somente. Por isso, a polícia que vai aos jardins é uma e a que patrulha os bairros periféricos é outra e muito mais violenta.

A luta dos trabalhadores é para que todos tenham os mesmo direitos e recebam o mesmo tratamento e tenham as mesmas oportunidades. O Poder Executivo do estado precisa zelar para o cumprimento das leis e administrar o dinheiro público com maestria e probidade. O Legislativo tem por obrigação fiscalizar o Executivo e propor projetos de lei que visem melhorar a vida de todos. Principalmente daqueles que produzem a riqueza do estado mais rico da Nação e ainda estão comas pirões moradias, mais distantes, sendo transportados feito “sardinha em lata”, com pouco atendimento médico pelo estado e com escolas que deixam seus filhos em situação de inferioridade na competição com os filhos dos ricos.

Queremos educação pública de qualidade para todos, mas principalmente para quem mais precisa, assim como saúde, transporte público, moradia e segurança. Queremos que nossos filhos saiam par divertir-se e voltem sãos e salvos para casa, sem medo de andar pelas ruas.

Wagner Gomes é metroviário, sindicalista e secretário-geral licenciado da CTB

Os artigos publicados na seção “Opinião Classista” não refletem necessariamente a opinião da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e são de responsabilidade de cada autor.

Compartilhar: