Acabou 2019, o ano em que o Brasil encolheu e virou pária mundial

“2019, um ano para esquecer, se fosse possível, vai passar para a história como o marco zero da destruição do país prometida pelo capitão-presidente, para então dar início à nova era”, escreve o jornalista Ricardo Kotscho. “Nos principais fóruns mundiais, o Brasil virou um pária, não apita mais nada, é motivo de deboche e preocupação”, acrescenta.

Daqui a mais alguns dias, os três poderes entram em obsequioso recesso, começam as férias escolares e as festinhas de amigo secreto da firma.

Nem se Bolsonaro revogar a Lei Áurea e oficializar a pena de morte, acabar com o salário mínimo e o décimo terceiro, não vai acontecer mais nada esse ano.

Vai ficar tudo para 2020, ou melhor, para depois do Carnaval, que é quando o ano começa no Brasil.

Decisões importantes do STF, como o julgamento da suspeição de Sergio Moro, e o novo pacote de reformas do governo podem esperar a chegada de Papai Noel e do Rei Momo.

2019, um ano para esquecer, se fosse possível, vai passar para a história como o marco zero da destruição do país prometida pelo capitão-presidente, para então dar início à nova era.

Nos principais fóruns mundiais, o Brasil virou um pária, não apita mais nada, é motivo de deboche e preocupação.

Com Bolsonaro, o baixo clero e as milícias chegaram ao poder com um único objetivo: detonar todas as conquistas civilizatórias das últimas três décadas e levar o país de volta aos gloriosos tempos de 1964.

Até aqui, estão cumprindo à risca o bangue-bangue prometido na campanha eleitoral, fazendo arminha com os dedos e prometendo metralhar os adversários vermelhos.

Conseguiram estragar até a bela festa do Flamengo do domingo, ao atiçar a polícia contra o povo que extravasava sua alegria nas ruas do Rio para receber os campeões da América.

Alguém – quem será? _ deu a ordem para acabar com as comemorações, antes que o trio elétrico com os jogadores chegasse à estátua de Zumbi, como estava previsto.

Para avisar que a festa acabou, a PM de Auschwitzel começou a atirar bombas de gás lacrimogêneo e gás de pimenta na multidão, que reagiu com paus e pedras, transformando a celebração pacífica numa praça de guerra.

Sem aviso prévio, levaram os jogadores para o quartel da tropa de choque da PM, onde a delegação flamenguista foi desmobilizada.

Se agem assim contra as famílias que inundaram o centro do Rio, com um mar de bandeiras e camisas rubro-negras, cantando o hino do clube, pode-se imaginar o que farão, se e quando o povo for às ruas para protestar contra este desgoverno que encolheu o país e está rifando a soberania e o patrimônio nacionais.

Wilson Witzel, o governador neonazista de fancaria, eleito com o apoio dos Bolsonaros, rompeu com a família e agora quer o lugar deles no Palácio do Planalto.

Grotesco e sem noção, não se vexou de se ajoelhar diante de Gabigol para engraxar sua chuteira no gramado do estádio de Lima, e levou um chega pra lá do jogador.

Mais tarde, o mesmo herói dos gramados também não se envergonhou de posar sorridente ao lado do bicão em busca de foto para a próxima campanha eleitoral.

Este é o retrato perfeito da falta de caráter desses bolsominions da política e do futebol que tomaram conta do país.

Que venha logo 2020, antes que eles acabem também com o Natal.

Vida que segue.

Por Ricardo Kotscho.

Compartilhar: