A volta de Bachelet

o emir sader 2010

Quarenta anos depois do golpe militar que terminou com a mais prolongada democracia latino-americana e instaurou sua mais brutal ditadura, o Chile deve eleger no domingo a filha de um militar fiel a Allende, que morreu na prisão por isso, derrotando a filha de um membro da Junta Militar de Pinochet.

Mas o Chile mudou muito, desde então. Já não é o país que se colocou, pela primeira vez, a possibilidade de uma transição pacífica ao socialismo, nem tampouco o da ditadura pinochetista. Houve uma ditadura feroz de 17 anos e uma longa transição, com 20 anos de governos da aliança socialista-democrata cristã – partidos que estavam em campos opostos no momento do golpe militar – e um breve governo neo-pinochetista, de Sebastian Pinera.

Nesse trânsito o Chile se transformou no “case” típico dos organismos internacionais do neoliberalismo – Banco Mundial, FMI -, como o país de sucesso de economia de mercado no continente. Mas, como contrapartida, o país que era dos menos desiguais do continente, correu para o outro lado, tornando-se dos mais desiguais. Porque a aliança dos dois partidos, mesmo sucedendo à ditadura, manteve o modelo econômico neo-liberal do Pinochet, buscando apenas diminuir as desigualdades sociais, na margem estreita em que isso é possível.

As grandes mobilizações estudantis dos últimos anos quebraram o prestígio de Sebastien Piñera – membro do milionário grupo que detém, entre outras empresas, a Lan Chile, que comprou a Tam -, que tinha ascendido no estilo empresário de sucesso que vai fazer administração eficiente do Estado.

Como Pinochet havia privatizado totalmente o ensino superior, além de elitizá-lo ainda mais, levou à quebra de grande parte das famílias de classe media, que se endividavam para pagar os estudos dos filhos. Foi nesse bojo que os estudantes se mobilizaram, com grande apoio da população, para exigir o retorno do caráter público da educação superior.

As mobilizações afetaram de forma direta e irreversível o prestígio de Piñera e abriram caminho para o retorno de Bachelet. Ela apresentou um plano de resgate das universidades públicas em um prazo de 5 anos – a principal novidade do seu programa em relação a seu governo anterior.

Apesar de seguir com o Tratado de Livre Comércio com os EUA, Bachelet afirma que distanciará o país da Aliança para o Pacífico e que o aproximará de Unasul e do Mercosul, mudando o perfil da polícia externa do governo Piñera e até mesmo do seu governo anterior. Bachelet governou até 2008, o ano do começo da crise recessiva no centro do capitalismo. Ela chegou a decretar algum apoio aos idosos, os mais fragilizados pelos efeitos da crise, dado que a aliança socialista-democrata cristã tinha mantido a privatização da Previdência chilena.

A crise revelou que quem resistiu melhor a seus efeitos recessivos foi quem incrementou os intercâmbios regionais e Sul-Sul, além de intensificar as políticas de redistribuição de renda, que estendem o mercado interno de consumo popular. Na contramão do modelo chileno, que tem na exportação seu setor mais dinâmico e nas altas esferas do consumo.

A equipe escolhida por Bachelet para governar não difere muito da anterior, não permitindo delinear ainda o tamanho das diferenças em relação a seu governo anterior.

O que é seguro é que o retorno da direita neo-pinochetista à presidência do Chile, mesmo tendo ares eufóricos há quatro anos, foi catastrófico. Ainda assim, Piñera tenta se distanciar das posições mais duras da direita, com a esperança de poder voltar a ser candidato em quatro anos mais. Mas só teria chances se da mesma forma que no final do governo anterior da Bachelet, mesmo com grande apoio popular, a aliança socialista-comunista siga apelando a seus velhos e desgastados quadros, como foi Eduardo Frei, ex-presidente, derrotado fragorosamente pela direita.


Emir Sader é sociólogo e cientista político. Texto originalmente publicado em seu blog.

Compartilhar: