Resultados do 2º turno fortalecem luta por reformas estruturais

O resultado geral do segundo turno das eleições municipais, consumado no último domingo (28), indica um significativo avanço das forças e partidos progressistas, cuja contrapartida é a derrota da direita neoliberal, malgrado o sucesso desta em algumas capitais. A vitória mais relevante ocorreu na cidade de São Paulo, conquistada por Fernando Haddad e sua vice, Nádia Campeão, num memorável duelo contra o tucano José Serra, protagonista dos escândalos que acompanharam o programa de privatizações do governo FHC.

A capital mais populosa e mais rica do país deixa de ser uma fortaleza das forças conservadoras e, a julgar pelas declarações do prefeito eleito domingo, será colocada no rumo das mudanças iniciadas em 2002 com a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva. Haddad, que toma posse em janeiro, consciente de que a vitória refletiu o “sentimento de mudança que domina a alma do povo de São Paulo”, reiterou os compromissos assumidos durante a campanha e garantiu que o objetivo central da nova administração “é diminuir a grande desigualdade existente em nossa cidade, derrubar o muro da vergonha que separa a cidade rica da pobre”.

As lideranças sindicais e os movimentos sociais participaram ativamente da batalha eleitoral, ao lado dos candidatos comprometidos com a classe trabalhadora e os interesses maiores do povo, com a consciência de que os resultados colhidos em outubro deste ano se projetam sobre as lutas futuras, cabendo destacar o pleito de 2014, quando estará em jogo a Presidência da República, o Congresso Nacional e os governos estaduais.

O avanço das forças progressistas abre caminho a mudanças mais audaciosas que a nação reclama. Cabe citar, neste sentido, a necessidade inadiável das reformas estruturais defendidas pela CTB e pela 2ª Conclat. Entre elas, a reforma política, cuja urgência é atestada pelo custo crescente das campanhas eleitorais, que sujeitam os pleitos ao controle e à corrupção do poder econômico.

É consenso entre inúmeros especialistas e políticos progressistas que, para moralizar de fato as campanhas e subtrair o processo eleitoral da influência do poder econômico, é imperioso estabelecer o financiamento público exclusivo das campanhas, além de estabelecer novas normas visando a maior democratização do pleito.

Também cobram urgência a reforma tributária, que na opinião da CTB deve desonerar o trabalho e a indústria, bem como taxar as grandes fortunas e a especulação financeira; a reforma agrária, bandeira secular da classe trabalhadora; a reforma urbana, com o objetivo de tornar as cidades mais humanas; a reforma da mídia, combatendo os monopólios da comunicação; a reforma educacional.

São reformas que podem dar um novo impulso ao processo de mudanças iniciado dez anos atrás, que não pode ser dado por concluído ou, muito menos, imune a retrocessos. Apesar dos inegáveis avanços conquistados até o momento, há muito por fazer. A vitória de domingo renova o fôlego e dá novo ânimo à luta por transformações sociais mais profundas. É este o seu sentido mais progressista, que devemos sublinhar.

São Paulo, 29 de outubro de 2012
Wagner Gomes, presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil

Compartilhar: