Leia as notas de Adilson Araújo, João Batista Lemos e Sindmar sobre o falecimento de Severino Almeida,

O sindicalismo classista está de luto. Morreu na madrugada desta quarta-feira (12) o sindicalista Severino Almeida. Ele foi fundador da CTB, seu primeiro secretário de Relações Internacionais e é considerado pela categoria a que pertenceu e a direção do Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante (Sindmar), do qual foi fundador e presidente, como “o maior líder sindical marítimo da nossa época”. Leia abaixo as notas do presidente da CTB, Adilson Araújo, do Sindmar, e do presidente do PCdoB-RJ, João Batista Lemos, sobre este triste acontecimento e a inestimável perda.

Adílson Araújo, presidente da CTB

O dia amanheceu triste. Com muita tristeza informo o falecimento, nessa madrugada, do comandante Severino Almeida, maior líder da categoria marítima, grande construtor da nossa central sindical, a CTB.

Severino deixa uma grande lacuna, mas também um importante legado, resultado de toda sua contribuição para a construção da organização sindical marítima, aquaviária, portuária e estivadora. Ficam as boas lembranças daquela liderança de caráter firme, convicto nas suas opiniões, mas sobretudo do seu carimbo indelével para a construção de um Brasil próspero e soberano, bem como da sua luta em defesa da democracia, do fortalecimento dos sindicatos, da unicidade sindical e dos direitos da classe trabalhadora.

Em nome da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), transmito o nosso profundo sentimento aos familiares, aos marítimos, aquaviários, portuários, estivadores, amigas e amigos.

SEVERINO, GUERREIRO DO POVO BRASILEIRO. Presente!!!

Adilson Araújo, presidente nacional da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil

Nota do Sindmar

O Sindicato Nacional dos Oficiais da Marinha Mercante – Sindmar informa, com imenso pesar, o falecimento de seu ex-presidente Severino Almeida Filho nesta quarta-feira, 12 de dezembro, aos 67 anos.

Líder sindical marítimo mais representativo do seu tempo, Severino presidiu o Sindmar até março de 2020 e a Conttmaf, até janeiro de 2021.

Deixa o legado de uma vida inteira dedicada à defesa incansável dos direitos, das remunerações e das condições de trabalho dos marítimos brasileiros, com destaque para a criação do Sindmar no ano 2000, a partir da unificação dos sindicatos de oficiais de Náutica e de Máquinas, com a incorporação, quatro anos depois, dos eletricistas da Marinha Mercante.

Em sua memória, o Sindmar reproduz uma frase representativa do espírito coletivo de Severino Almeida Filho:

Temos de navegar juntos, para não perdermos o que com muita luta conquistamos. Um Sindmar forte, eficiente e reconhecido externamente é a única garantia que nos restou diante da sanha patronal de desmantelamento dos direitos e da própria noção e do valor do trabalho e do emprego. O Sindicato é um patrimônio de cada um de nós e de todos os oficiais e eletricistas mercantes. Unidade e luta!

Atendendo à vontade do próprio Severino, não haverá velório. A cremação será amanhã, dia 13 de janeiro, na parte da manhã, restrita aos familiares apenas. Agradecemos a compreensão e o respeito de todos a essa determinação.

Àqueles que quiserem enviar flores, informamos o endereço:

Crematório Memorial do Carmo
R. Monsenhor Manuel Gomes, 287 – Caju – Rio de Janeiro

A mensagem de João Batista Lemos, que também foi um dos fundadores da CTB

O Brasil, a Classe Trabalhadora e o Movimento Sindical Classista perderam um grande líder e ser humano. Nossos sentimentos a seus familiares e entes queridos. Severino foi um sindicalista classista que conheci e considero de rara qualidade, parceiro de muitas lutas, nacional e internacional.

Contribuiu representando os Marítimos na Corrente Sindical Classista, sendo dotado de uma grande visão da luta de classes. Trabalhador do Mar, o que lhe deu esta singularidade, foi um grande construtor da CTB, ombro a ombro entusiasmado com a perspectiva do sindicalismo classista.

Ouvir o Severino era necessário antes de dar um passo à frente, Severino, como nosso Sec. internacional da CTB, foi nosso mestre na OIT Mesmo sua organização marítima filiada a ITF, Federação Internacional dos Transportes, não vacilou em também defender a filiação da CTB à FSM, central mundial classista, fundada em 1945 em Paris.

Severino não se dizia comunista, e sim anticapitalista, fiel à sua base marítima, muito ´`à frente com sua consciência crítica e ao mesmo tempo prático e ousado na construção da CONTMAF, confederação marítima. Consciente de sua enfermidade degenerativa preparou sua sucessão, com carinho e perspicácia, Muller assume o comando, nos Marítimos e na CTB.

São vários os companheiros dos Marítimos que pudemos conhecer e compartilhar a formação e consolidação da CTB através deste grande companheiro. Além de ser um grande amigo do Partido Comunista, foi meu amigo pessoal, expresso minha profunda tristeza, mas com a certeza que sua luta não foi em vão.

Severino, PRESENTE.

Compartilhar: