Centrais divulgam nota e CTB reforça conclamação aos preparativos para o dia 28

As centrais sindicais estão trabalhando intensamente nesta reta de chegada do dia 28 de abril, quando haverá mobilizações, paralisações, passeatas e atos públicos em apoio à redução da jornada de trabalho sem redução de salário e pela ratificação das convenções 151 e 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). 

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) está intensificando a coleta de assinaturas do abaixo-assinado em apoio à campanha pela redução da jornada de trabalho sem redução de salários. Ao mesmo tempo, está acelerando os preparativos para o dia 28. Em reunião realizada no dia 15, o secretariado da CTB reforçou a orientação para que as entidades sindicais ligadas à central em todo o país a encaminhem o abaixo-assinado até o dia 25.

O secretário-geral da CTB, Pascoal Carneiro, disse que é importante acelerar as  mobilizações desde já para que no dia 28 de maio a central ocupe um lugar de destaque nas ações que o movimento sindical está preparando. “O ponto alto destes preparativos é a coleta de assinatura nas bases”, disse. O secretariado da CTB orienta os sindicatos ligados à central a recolher no mínimo mil assinaturas cada um. Em cada local de trabalho a central deve promover formas para recolher o máximo de assinaturas.

Aparecer com visual próprio

Wagner Gomes, presidente da CTB, ressaltou que ao mesmo tempo é preciso fazer ampla divulgação das bandeiras que a central elegeu como prioritárias — redução da jornada de trabalho sem redução de salário; ratificação das convenções 151 e 158 da OIT; reforma agrária; e fim do fator previdenciário. “Cada Estado deve avaliar a melhor forma de fazer esta atividade levando em conta a meta mínima de mil assinatura por entidade”, disse ele.

O presidente da CTB também destacou importância da realização de assembléias nas categorias para avaliar as formas de participação no “Dia Nacional de Lutas e Mobilizações”. “A CTB deve aparecer com seu visual próprio, mas não deve esquecer a prioridade de construir atividades unitárias”, lembrou. E uma das formas para intensificar esta unidade, segundo Wagner Gomes, é a ampliação da circulação do abaixo-assinado em apoio à campanha pela redução da jornada sem redução de salário.

A batalha da comunicação

Carlos Rogério Nunes, secretáro de comunicações da CTB, diz que é importante o envio de informações para o Portal da CTB. "A nossa intenção é manter o Portal com notícias cotidianos sobre os preparativos e sobre o dia 28", enfatiza. Para tando, segundo Rogério, é importante os dirigentes da CTB nos Estados manter as pessoas da comunicação nas entidades ligadas à CTB em contato com o Portal ([email protected]) para que as informações sejam disponibilizadas com agilidade. "Já estamos numa batlha, que é batalha da comunicação, e temos de enfrentá-la com determinação", reforça. 

No dia 27, haverá uma panfletagem unitária das centrais em âmbito nacionais. Uma nota conjunta já foi distribuída (veja a íntegra baixo) conclamando o máximo de esforços visando a mobilização nesta reta de chegada. No dia seguinte, 29, as centrais entregarão o abaixo-assinado ao Congresso Nacional. No mesmo dia, os presidentes das centrais concederão uma entrevista coletiva.

________

Veja a íntegra da nota das centrais:

“Reduzir a jornada é gerar mais empregos

No dia 28 de maio os trabalhadores voltarão às ruas no “Dia Nacional de Lutas e Mobilizações pela Redução da Jornada de Trabalho e pela ratificação das Convenções 151 e 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT”.

De norte a sul do país serão realizados atos públicos, passeatas e assembléias, numa grande mobilização para sensibilizar o Congresso Nacional a aprovar medidas de interesse dos trabalhadores. É preciso lutar para que o bom momento da economia se traduza na geração de empregos, de melhores salários e mais distribuição da renda, na garantia de direitos e ampliação das conquistas trabalhistas.

Com a redução da jornada de trabalho constitucional para 40 horas semanais sem redução dos salários, através da aprovação do Projeto de Emenda Constitucional nº 393/01, serão criados mais de 2 milhões de novos empregos além de possibilitar um tempo maior para os trabalhadores dedicarem-se às famílias, ao estudo, à qualificação profissional, ao descanso e ao lazer.

Também estaremos mobilizados para que o Congresso Nacional ratifique a Convenção 151 (direito de negociação coletiva dos funcionários públicos) importante passo para reconhecer os direitos dos funcionários públicos à data base e negociação coletiva para determinar salários e demais condições de trabalho e a Convenção 158 (contra a demissão imotivada) que visa estabelecer limites à demissão imotivada, raiz da prática da rotatividade da mão-de-obra amplamente difundida entre empresas para diminuir os salários e precarizar o emprego.

Participe!

Todos unidos pela redução da jornada de trabalho e pela ratifricação das convenções 151 e 158 da OIT!

CGTB, CTB, CUT, Força Sindical,. NCST e UGT” 

 

Compartilhar: