Santander demite funcionários durante pandemia; banco lucrou R$ 3,8 bilhões no 1º trimestre de 2020

Em menos de uma semana, o banco espanhol Santander demitiu pelo menos 30 funcionários, em todo país, durante a pandemia. O levantamento é do Sindicato dos Bancários, que disse que o mapeamento ainda está sendo feito, e o número de pessoas que perderam o emprego pode ser maior.

Em março, o banco, junto com outras instituições financeiras, assinou um acordo batizado como Não Demita, assumindo o compromisso de não demitir ninguém durante a pandemia de coronavírus.

Em nota, o banco informou que o acordo valia até maio, e que em junho já retomou o processo de reavaliação do nível de produtividade das equipes.

A explicação não convenceu Rita Berlofa, diretora executiva do Sindicato dos Bancários de São Paulo e funcionária do Santander. Ela diz que a postura do banco no Brasil é muito diferente da adotada em todos os outros 150 países em que a instituição financeira atua.

Segundo o sindicato da categoria, além das demissões, o banco tem forçado o retorno ao trabalho presencial durante a pandemia.

Levantamento do Dieese mostra que no primeiro trimestre deste ano, o Santander teve um lucro de mais de R$ 3,8 bilhões – um crescimento de mais de 10% nos lucros em relação ao mesmo trimestre do ano passado. Nesse período, ele foi o único entre os cinco maiores bancos do país com aumentos nos lucros.

Em março, o governo federal liberou mais de R$ 1 trilhão para reforçar a segurança do sistema financeiro durante a pandemia.

Fonte: Radio Agência Nacional

Compartilhar: