Bancários apostam na mobilização para garantir direitos

Se a luta contra a exploração já é desfavorável para os trabalhadores, imagina para os bancários, que lidam diretamente com setor financeiro, famoso por sua ganância e busca de lucros a qualquer custo. A categoria sabe que a batalha é árdua e aposta na unidade e mobilização da classe trabalhadora como forma de garantir empregos e direitos. Por isso mesmo, os bancários da Bahia e Sergipe participam com empolgação do 4º Congresso Nacional da CTB, que está sendo realizado em Salvador.

“A questão central para os bancários neste momento é a defesa do emprego. Nós perdemos uma grande quantidade de postos de trabalho nos últimos anos, devido à terceirização e as inovações tecnológicas. Agora, enfrentamos também o processo de desmonte dos bancos públicos, que inclui fechamento de agências e os programas de desligamentos voluntários, que têm como principal objetivo o enxugamento do quadro de funcionários e a diminuição do papel social de instituições como a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNB, que têm papel central para o desenvolvimento social do país”, ressalta o presidente da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe, Emanoel Souza.

Emanoel ressalta a importância da participação dos bancários em espaços como o Congresso da CTB, como forma de trocar experiência com outras categorias e fomentar a criação de uma frente unitária para fazer o enfrentamento ao governo Temer e as antirreformas que estão em curso.

A presidenta do Sindicato de Sergipe e vice-presidente da CTB, Ivânia Pereira, também destaca a importância do evento. “Este Congresso é para nós representa um momento de mudança nesta política que estamos vivenciando e também para a atuação do movimento sindical, em especial, para os bancários, que estamos em campanha nacional em defesa do emprego e da garantia de direitos “, afirma Ivânia.

Os bancários de Sergipe se preparam com entusiasmo para o encontro, debatendo o documento geral e o plano de luta para os próximos anos. A categoria tem a maior delegação por setor no estado, com nove entre os 33 representantes do estado. A delegação da Bahia também é numerosa. São 28 bancários participando dos debates do Congresso, que ocorre logo após a aprovação das reformas extremamente ruins para a maioria sociedade. “ Além de fazer um panorama da situação nacional e internacional, o Congresso aponta caminhos para que possamos construir uma frente ampla no Brasil contra a desmonte do país”, argumenta o presidente do Sindicato dos Bancários da Bahia, Augusto Vasconcelos.

Garantia de direitos

A campanha nacional de 2017 já começou. Na primeira reunião, o Comando Nacional dos Bancários propôs à Federação Nacional dos Bancos que assinem um termo se comprometendo a não implementar que retirem direitos históricos da categoria. Os bancos ainda não responderam a questão, mas o entendimento geral é de que não aceitem a proposta.

A batalha contra os bancos não será fácil, mas os trabalhadores não estão começando do zero. No ano passado, a categoria assinou um acordo coletivo com validade de dois anos, que garante a manutenção das conquistas e também o reajuste de 1% acima da inflação. “Foi uma grande vitória diante da conjuntura difícil que estamos vivendo. Talvez sejamos uma das únicas categorias a ter aumento real este ano. A nossa luta agora será para garantir empregos, direitos e melhores condições de trabalho”, acrescentou o presidente do Seeb Bahia.

Eliane Costa para o Portal CTB

Compartilhar: