União Europeia pode reduzir jornada de trabalho para evitar demissões

Jornal Tornado

A Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira (1º) um esquema de jornada de trabalho reduzida baseado no programa Kurzarbeit da Alemanha para ajudar as pessoas a manterem seus empregos enquanto a pandemia de coronavírus atinge as economias do bloco de 27 países. Ao anunciar o esquema por mensagem de vídeo, a chefe da Comissão, Ursula von der Leyen não deu detalhes sobre como ele será financiado.

Segundo ela, a proposta será garantida a todos os países do bloco – uma pista de que poderia estar vinculado ao Orçamento da UE. “As empresas estão pagando salários a seus funcionários, mesmo que, no momento, não estejam ganhando dinheiro. A Europa agora irá apoiar, com uma nova iniciativa”, disse Ursula. “O objetivo é ajudar a Itália, a Espanha e todos os outros países que foram duramente atingidos. E o fará graças à solidariedade de outros Estados membros”, disse.

De acordo com o antigo esquema alemão, o governo paga parte do salário de um trabalhador quando as empresas cortam suas horas diante de uma desaceleração para impedir que eles percam o emprego por completo. A Comissão informou que mais detalhes de seus planos estarão disponíveis na quinta-feira.

“Se não houver encomendas e as empresas ficarem sem trabalho por causa de um choque externo temporário como o coronavírus, elas não devem demitir seus trabalhadores”, disse Ursula. “Dessa forma, as pessoas são poupadas do buraco em suas carteiras durante a crise. Elas podem continuar pagando seus alugueis e comprando o que precisam. E isso também tem um impacto positivo na economia.”

Isolamento

O enfrentamento ao coronavírus na Europa começa a ser objeto de pesquisa. Conforme estudo divulgado na segunda-feira (30) pelo Imperial College London, no Reino Unido, medidas de forte distanciamento social tomadas por 11 países europeus para impedir a disseminação da Covid-19 já evitaram até 120 mil mortes. Entre as ações anunciadas pelos governos, estão o isolamento de infectados e dos suspeitos de terem contraído o coronavírus, o fechamento de escolas e de universidades, a proibição de aglomerações e a imposição do chamado “lockdown” (fechamento total de uma área ou país).

A pesquisa foi divulgada no mesmo dia em que autoridades da Espanha e do Reino Unido confirmaram uma desaceleração no crescimento de infecções. Além das duas nações, o estudo contempla Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, França, Itália, Noruega, Suécia e Suíça. Axel Gandy, diretor de estatística do Departamento de Matemática do Imperial College London, afirma que ele e seus colegas analisaram o impacto das intervenções estatais usando mortes observadas atribuídas à Covid-19.

“Nosso modelo sugere que os países conseguiram reduzir o número de novas infecções por infectado. Nossos resultados também sugerem que as intervenções já salvaram e continuarão a salvar muitas vidas”, explicou. “O impacto da pandemia é extremo. No entanto, teria sido muito pior sem as intervenções. Mantê-las é crucial para controlar a pandemia. Acreditamos que essas intervenções evitaram até 120 mil mortes.”

Em todo o planeta, mais de 757 mil casos de Covid-19 foram detectados, com pelo menos 36 mil mortes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) prevê que 1 milhão de pessoas terão sido infectadas até o fim desta semana. A ministra das Relações Exteriores da Espanha, Arancha González, admitiu que a curva ascendente de transmissão do coronavírus parece estar se “achatando”. Nesta semana, os espanhóis proibiram cerimonias fúnebres e limitaram a três os assistentes permitidos nos enterros, respeitando-se a distância de dois metros.

Compartilhar: