Tribunal Eleitoral da Bolívia convoca novas eleições presidenciais para 3 de maio

O pleito deve acontecer seis meses após o golpe que forçou o presidente eleito em outubro, Evo Morales, a renunciar.

As novas eleições gerais da Bolívia estão marcadas para o primeiro domingo do mês de maio, que corresponde ao dia 03. A definição do Tribunal Supremo Eleitoral boliviano aconteceu na noite desta sexta-feira (03).

Além de votar para um novo presidente, os bolivianos também vão eleger deputados para a Assembleia Legislativa.

O pleito substituirá a eleição de 20 de outubro, vencida por Evo Morales, do Movimento ao Socialismo (MAS). Diante de atos violentos e pressão de militares, o agora ex-presidente, que está exilado na Argentina, renunciou ao cargo no dia 10 de novembro.

Evo Morales e Álvaro García Linera foram reeleitos com 2,8 milhões de votos e mais de dez pontos percentuais de diferença em relação ao segundo colocado, Carlos Mesa. O setor mais radical da oposição queria forçar a realização de um segundo turno. Morales aceitou uma auditoria dos resultados e convidou a Organização dos Estados Americanos (OEA), Paraguai, México, Espanha e as Nações Unidas para acompanhar o processo de revisão.

Com a consumação do golpe, a senadora Jeanine Áñez se autoproclamou presidenta, e os partidos representados no parlamento concordaram em cancelar as eleições de outubro e convocar uma nova votação no país. 

Disputa

O MAS, partido de Morales, deve definir seu candidato para o novo pleito eleitoral no dia 19 de janeiro, conforme anunciou o ex-presidente, após reunião realizada no dia 29 de dezembro, em Buenos Aires, na Argentina.

Entre os pré-candidatos estão os ex-chanceleres Diego Pary e David Choquehuanca, o ex-ministro da economia Luis Arce e o dirigente cocaleiro Andrónico Rodríguez, indicado como um dos favoritos pelo ex-vice-presidente Álvaro García Linera em uma entrevista concedida ao jornal argentino Página 12. 

Segundo pesquisa do instituto Mercados y Muestras, divulgada no último dia 22 de dezembro, Rodríguez aparece com 23% das intenções de voto para presidente, dois pontos percentuais à frente de Carlos Mesa, da Comunidade Cidadã (CC), que disputou as últimas eleições contra Morales.

Já o empresário Luis Fernando Camacho, representante da extrema-direita que liderou o movimento golpista na região de Santa Cruz de La Sierra, tem 16%.

Via Brasil de Fato

Compartilhar: