Trabalhadores chilenos convocam greve geral por melhores salários

A presidenta da Central Única dos Trabalhadores do Chile (CUT), Bárbara Figueroa, expressou na última quarta-feira (1º) a necessidade de uma nova institucionalidade trabalhista no país e convocou uma greve geral para o dia 11 de julho.

No encerramento da marcha pelo Dia Internacional do Trabalhador, a militante do Partido Comunista criticou que “o governo de Sebastián Piñera se atreve a falar de geração de empregos quando os trabalhadores chilenos vivem uma profunda desigualdade, já que não basta ter emprego para sair da pobreza”.

A dirigente enviou uma mensagem para os carabineiros (polícia militar), para que parem com a repressão contra os jovens que saem para manifestar-se nas ruas. Também expressou o descontentamento com a proposta de salário mínimo apresentada pelo Executivo. “As mobilizações são uma expressão gráfica do cansaço de um povo diante a políticas de um Estado que abandonou a maioria dos chilenos, ao negar direitos fundamentais como a saúde e educação”, sublinhou.

Por sua vez, o correspondente da “TeleSur” no Chile, Raúl Martínez, informou que o mais relevante as jornada de mobilizações foi a reivindicação por mudanças profundas no trabalho e melhorias sociais.

O jornalista confirmou a convocatória para uma greve nacional na data emblemática, pois em 11 de julho se celebra no país o Dia da Dignidade Nacional e a estatização da indústria do cobre, uma conquista alcançada pelo presidente socialista Salvador Allende (1970-1973).
O correspondente explicou que a maioria dos trabalhadores chilenos é terceirizada e por isso uma de suas demandas é mudar o sistema trabalhista.

Também pedem para reformar o sistema de pensões que guarda para si os lucros e socializa somente as perdas. A convocatória reuniu mais de 100 mil pessoas no Dia Internacional do Trabalhador em Santiago. Desde o inicio da mobilização se reportaram enfrentamentos entre jovens e os carabineiros, que realizaram revisões seletivas, tanto de pessoas como de mochilas, sem motivo aparente, nem fundamento legal.

Apesar das tentativas de violência, houve expressões de música, danças, bandeiras e cartazes, que tornaram pública a necessidade de acabar com o atual modelo de fundo de pensões, considerado herança da ditadura militar de Augusto Pinochet (1973-1990), para mudar por um “sistema de caráter público, compartido pelo trabalhador e pelo empregador”.

Fonte: TeleSur

Compartilhar: