Todas as mulheres são mulheres trabalhadoras

Vinte e cinco anos depois da histórica Conferência das Mulheres de Pequim, as aspirações por um mundo com igualdade de gênero ainda precisam ser alcançadas. A primeira vice-diretora-geral da OIT, Mary Chinery-Hesse, que chefiou a delegação da OIT a Pequim, reflete sobre a Conferência e o que ainda precisa ser feito.

Mary Chinery-Hesse, a primeira vice-diretora geral da OIT

Há um ditado na África que ‘o dia da mulher nunca acaba’ . Quando chefiei a delegação da OIT à Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher em Pequim, há vinte e cinco anos, vi que o ditado se aplicava também às mulheres em todas as outras partes do mundo.

Foi um momento emocionante para os presentes – 30.000 de nós, representando 189 nações. Éramos de diferentes estilos de vida e enfrentávamos diferentes problemas, mas todos tínhamos uma visão comum. Isso foi articulado na subsequente Declaração e Plataforma de Ação de Pequim , que clamava por direitos iguais e liberdade de oportunidades para as mulheres em todos os lugares, independentemente de suas circunstâncias.

Muitos dos delegados trouxeram seus filhos e bebês para a conferência. Os bebês usavam camisetas com a mensagem ‘Eu sou um emprego de tempo integral’ . Foi muito engraçado, mas serviu para deixar claro.

Esse ponto era, e ainda é, que todas as mulheres são mulheres trabalhadoras e seu trabalho deve ser valorizado. As mulheres fazem o trabalho doméstico, cuidam dos filhos, mas nada disso se reflete nas estatísticas. Fora de casa, o trabalho tende a ser mal remunerado e em áreas segregadas. Eu sou economista

 Nós, na OIT, estávamos estudando como o trabalho das mulheres poderia ser contabilizado, porque o que não é contabilizado não é valorizado.

Muito do que vemos agora como trabalho militante das mulheres teve sua gênese em Pequim. As mulheres encontraram uma voz mais forte e a coragem de falar. Além disso, uma lição importante que aprendemos foi que as mulheres podiam apoiar umas às outras. Portanto, a Declaração criou muita empolgação.

A situação das mulheres melhorou desde então. Vemos leis sobre igualdade de gênero, licença maternidade e igualdade de oportunidades. Desde Pequim, vários países adotaram o conceito de menina e vários adotaram políticas para garantir que as meninas frequentem a escola. Na Universidade de Gana, onde sou chanceler, há mais estudantes mulheres do que homens.

Desde Pequim, as mulheres tiveram a coragem de se aventurar em áreas antes preservadas para os homens. Eles são encorajados a não pensar que as coisas estão fora de seu alcance. No local de trabalho, a legislação em muitos países tornou mais fácil para as mulheres trabalhar.

No entanto, embora tenha havido progresso em termos de leis em muitas partes do mundo, isso não mudou a mentalidade sobre como as mulheres devem se comportar e qual é seu papel na sociedade. Se houve uma falha em Pequim, foi que o foco estava nos formuladores de políticas, e não na mudança de atitudes. Vejo muitas palavras bonitas e declarações sobre igualdade de gênero, mas a sociedade não as acompanhou. As mulheres ainda detêm a maior parte das responsabilidades de cuidados. Ainda existe uma disparidade salarial significativa entre homens e mulheres.

Meu próprio temor é que a pandemia COVID-19 reverta alguns dos ganhos que obtivemos nos últimos 25 anos. Temo que a perda de empregos devido à crise vá desencadear a ‘síndrome do homem ganha-pão’, que pode empurrar as mulheres para fora do local de trabalho.

Precisamos examinar profundamente como podemos fazer mudanças permanentes. Pequim era boa. Deu impulso a um processo de mudança, mas o ritmo tem sido lento demais. O que aprendi é que, assim que você tira os olhos da bola, há um rolar para trás.

Eu sei que as mulheres no mundo em que cresci não tinham voz. A verdade é que na mesa alta ainda não temos mulheres suficientes. Os formuladores de políticas ainda são principalmente homens. Precisamos atrair os homens iluminados para apoiar nossa busca pela igualdade, porque, a menos que façamos dos homens campeões pela igualdade de gênero, nunca haverá mudança permanente.

Compartilhar: