Presidente chinês critica mentalidade de guerra fria e defende multilateralismo


O presidente chinês, Xi Jinping, condenou o unilateralismo na política internacional e a intimidação do país que atua como o “chefe do mundo”. Foi uma crítica aos EUA em que o líder da próspera potência asiática evitou mencionar nomes e alertou contra a nova guerra fria entre Washington e Pequim.

Xi fez os comentários em uma reunião de alto nível para comemorar o 75° aniversário da ONU.

Destacando que a ONU deve defender firmemente a justiça, Xi disse que nenhum país tem o direito de dominar os assuntos internacionais, controlar o destino dos outros, ou manter todas as vantagens de desenvolvimento para si próprio.

“Menos ainda deve ser permitido que ele faça o que deseja e seja hegemônico, intimidador ou chefe do mundo,” disse Xi.

Xi disse que é imperativo que a representatividade e a voz dos países em desenvolvimento sejam aumentadas para que a ONU possa ser mais equilibrada na reflexão dos interesses e vontades da maioria dos países no mundo.

Enfatizando que a ONU deve defender o Estado de direito, Xi disse que as relações entre os países e a coordenação de seus interesses devem se basear apenas em normas e instituições.

“Não devem ser governados por aqueles que mostram o punho para os outros”, disse Xi.

Os países grandes devem dar o exemplo na defesa e salvaguarda do Estado de direito internacional e no cumprimento de suas promessas, acrescentou.

“Não deve haver prática de excepcionalismo nem padrão duplo. Não podem ser distorcidos ou usados os direitos internacionais como um pretexto para prejudicar os direitos e interesses legítimos de outros países ou a paz e a estabilidade do mundo”, indicou Xi.

O presidente chinês disse que a ONU deve promover a cooperação, assinalando que “a mentalidade da Guerra Fria, as linhas ideológicas ou jogos de soma zero não são soluções para os problemas próprios de um país, nem muito menos uma resposta aos desafios comuns da humanidade”.

“O que precisamos fazer é substituir o conflito pelo diálogo, a coerção por consulta e o jogo de soma zero por ganhos recíprocos”, acrescentou.

O presidente chinês também disse que a ONU deve se focar em ações reais.

“Para pôr em prática o princípio do multilateralismo, devemos agir e não só falar”, disse Xi. “Deve haver uma cura, não apenas uma terapia.”

O ONU deve ter como alvo a solução dos problemas e avançar para resultados tangíveis quando ela promove a segurança, o desenvolvimento e os direitos humanos paralelamente, acrescentou.

Em particular, Xi disse que a prioridade deve ser dada à abordagem dos desafios de segurança não tradicionais como a saúde pública.

Na reunião, Xi elogiou o papel da ONU nesses 75 anos, dizendo que a organização realizou uma jornada extraordinária.

Xi disse que os 75 anos testemunharam um progresso drástico na sociedade humana e profundas mudanças na situação internacional, e foram um período de rápido desenvolvimento do multilateralismo.

Xi disse que a China defende firmemente o papel central da ONU nos assuntos internacionais.

A China defende firmemente o sistema internacional centrado na ONU e a ordem internacional apoiada no direito internacional, disse.

“Reafirmemos nosso firme compromisso com o multilateralismo e trabalhemos para promover uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade”, disse Xi antes de concluir seus comentários.

Fonte: Xinhua

Compartilhar: