Para Dilma, morte de Chávez deixa vazio na América Latina

A presidenta Dilma Rousseff lamentou nesta terça-feira (5), durante o segundo dia de trabalhos do 11º Congresso da Contag, a morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Para ela, a perda do presidente venezuelano deixará um vazio no coração, na história e nas lutas da América Latina.

“Hoje, lamentavelmente, infelizmente e com tristeza, eu digo para vocês que morreu um grande latino-americano, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Essa morte deve encher de tristeza todos os latino-americanos e os centro-americanos”, disse, antes de pedir um minuto de silêncio aos cerca de 2.500 delegados e delegadas participantes do Congresso.

Dilma cancelou a viagem que faria quinta-feira (7) à Argentina e deve comparecer ao velório de Chávez. A presidenta elogiou a liderança de Chávez na Venezuela e seu comprometimento com o desenvolvimento não só de seu país, mas da América Latina. Ela disse ainda que lamenta a morte de Chávez como presidenta e como “pessoa que tinha por ele um grande carinho” e elogiou a generosidade do presidente. “Além de liderança expressiva, o presidenta foi um homem generoso com todos aqueles que neste continente precisaram dele”.

Tristeza na América Latina

Chávez morreu hoje em Caracas, aos 58 anos, vítima de complicações de um câncer na região pélvica. Em dezembro do ano passado, ele foi submetido a uma cirurgia em Havana. Suas últimas imagens, em fotos ao lado das filhas no hospital, foram divulgadas há duas semanas.

O anúncio da morte de Chávez foi feito pelo vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, em pronunciamento em rede de rádio e televisão. Em outubro do ano passado, Chávez foi eleito para o quarto mandato consecutivo. Ele ficaria no poder até 2019.

De Brasília,
Fernando Damasceno – Portal CTB

Compartilhar: