Na contramão dos acordos pela paz, Colômbia mata 32 guerrilheiros das Farc

Ao menos 32 guerrilheiros das Farc foram abatidos e outros quatro capturados em uma ofensiva do Exército colombiano realizada na madrugada desta segunda-feira (26), no departamento de Meta (centro-leste), segundo informações divulgadas pelo presidente Juan Manuel Santos.

O ato do governo colombiano se dá às vésperas da libertação de dez militares mantidos prisioneiros das Farc, marcada para os dias 2 a 4 de abril. O governo brasileiro mediará as ações de resgate, por meio de duas aeronaves e equipes de apoio.

A ação desta segunda-feira é o segundo grande golpe das forças militares colombianas nas Farc em menos de uma semana, depois de outros 36 rebeldes terem sido mortos entre os dias 20 e 21 de março no departamento de Arauca (leste), na fronteira com a Venezuela. A operação em Arauca foi realizada 48 horas depois de uma emboscada em que 11 militares foram mortos pelas Farc.

Movimento Patriótico

Em paralelo às negociações pela libertação dos prisioneiros mantidos pelas Farc, dezenas de organizações sociais, populares, políticas, de camponeses, indígenas, estudantes e trabalhadores da América do Sul deram um passo importante na articulação pela paz na Colômbia. Entre 21 e 23 de abril, será lançado em Bogotá o Movimento Marcha Patriótica pela Segunda e Definitiva Independência do país.

O Movimento se define como um continuador “da façanha independentista, democratizadora e soberana, empreendida por Bolívar, Nariño, José Antonio Galán, Benkos Biojó, Policarpa Salavarrieta, Manuela Beltrán e milhares de homens e mulheres que, ao longo desses mais de 200 anos, ofereceram suas vidas na conquista de tão altos propósitos”.

Suas organizações definem o Movimento como um instrumento para “encorajar a ação de todos os colombianos e colombianas que se encontram inconformados, indignados e entediados com a situação atual repleta de pobreza, humilhação e morte e que desejam construir uma Colômbia verdadeiramente democrática, com um modelo econômico e político no qual o direito à saúde, à educação, à cultura, à moradia, à recreação sejam uma realidade para o conjunto da população”.

Apoio da CTB

O vice-presidente da CTB, Nivaldo Santana, deve ser o representante da Central no ato de lançamento do Movimento. No último sábado (24), a Direção Executiva da CTB publicou uma resolução em apoio ao povo colombiano, na qual reafirma sua posição de solidariedade e de busca pela paz em toda a América Latina.
 

 

Leia o Manifesto da Marcha Patriótica aqui

Com informações de agências e da Anncol

Compartilhar: