Mundo vê a lenta morte da classe trabalhadora dos EUA

Era uma vez um tempo em que a economia dos Estados Unidos produzia uma oferta aparentemente infinita de empregos bem pagos, tempo no qual os trabalhadores norte-americanos estavam habilitados a comprar casas, criar famílias e viver o sonho americano. Mas agora tudo isso mudou.

Ao longo das últimas décadas, houve algumas mudanças fundamentais na nossa economia, que têm resultado na erosão do valor do trabalhador americano. Graças aos avanços incríveis em robótica, computadores e outros campos da tecnologia, muitas atividades econômicas que antes exigiam uma quantidade enorme de mão de obra agora exigem muito pouco. Nada irá reverter os avanços tecnológicos, de modo que os empregos que foram perdidos como resultado já se foram para sempre. Mas há milhões de outros bons empregos que perdemos que poderíamos ter feito algo a respeito.

Ao longo das últimas décadas, milhões e milhões de empregos americanos foram transferidos para o exterior. Graças a algo chamado de “livre comércio” – que nossos políticos prometeram que seria muito bom para a nossa economia – os trabalhadores americanos foram inseridos em uma força de trabalho global, com centenas de milhões de trabalhadores do outro lado do mundo que vivem em países onde é legal pagar salários de trabalho escravo. Em tal situação, é natural que as grandes corporações transfiram a produção das áreas de salários elevados para as áreas de baixos salários.

A falta de empregos decentes nos Estados Unidos é uma das principais razões pelas quais estamos em uma crise econômica que parece nunca ter fim, e as coisas não vão mudar tão cedo. Nós realmente estamos testemunhando a morte lenta e tortuosa do trabalhador americano, e os políticos de ambos os partidos políticos estão apenas a observar o que está acontecendo.

De volta aos velhos tempos, quase todo mundo que estava disposto a trabalhar duro na América poderia facilmente sair e conseguir um trabalho decente. Mas hoje existe uma concorrência feroz, mesmo para empregos que pagam perto do salário mínimo. Por exemplo, dezenas de milhares de pessoas recentemente se candidataram a apenas 200 postos de trabalho em uma nova loja da Target [famosa loja de departamentos nos EUA], em Albuquerque, Novo México. Os candidatos têm menos de 3% de chance de conseguir um desses empregos. As chances de entrar em Harvard são muito maiores.

Mas pelo menos há alguma atividade econômica acontecendo em Albuquerque. Em todo o país, há outras cidades que antes eram movimentadas com a atividade econômica, mas que agora estão morrendo uma morte lenta deprimente. Por exemplo, basta verificar o seguinte excerto de um artigo de Don Terry sobre Gary, Indiana, intitulado “Onde o trabalho desaparece e os sonhos morrem”:

“Como Flint, Detroit, Cleveland e Akron, como centenas de cidades de todo o Centro-Oeste, uma vez industrial, Gary é emblemática da nova pobreza americana, a pobreza que surgiu quando as fábricas fecharam. A cidade tem a metade do tamanho que possuía em 1970, pois sua população foi reduzida de 170 mil para 80 mil atualmente. Sua taxa de pobreza é de 28%. Um quinto de suas casas, igrejas, escolas e outras estruturas estão vagos. As usinas de aço gigantescas ainda forram as margens do lago Michigan, no noroeste de Indiana, mas elas foram se livrando dos trabalhadores ao longo de décadas.”

Mas é claro que Gary está longe de ser sozinha. O trecho seguinte é de um recente artigo publicado no site “Economia em crise”, que detalhou o declínio chocante de Ypsilanti, Michigan:

“No final de 1970, cerca de 20 mil pessoas trabalhavam para a Ford e para a General Motors em Ypsilanti. Hoje, há apenas algumas centenas de trabalhadores na indústria automobilística aqui. É a mesma história de cidades de Michigan, Ohio e Indiana.”

“Para dizer o mínimo, Ypsilanti já viu melhores dias. As receitas fiscais caíram ao longo dos últimos 20 anos. O prefeito diz que ele está considerando unir o Corpo de Bombeiros e Polícia em um só departamento. O departamento de parques e recreação tem um orçamento de US$ 0,00.”

Deslocamento da produção

Enquanto isso, as empresas de automóveis dos EUA estão ocupadas instalando brilhantes novas fábricas do outro lado do globo. Por exemplo, a Chrysler anunciou recentemente planos de construir novas instalações de produção na China e na Rússia.
Você não ouve muito sobre o declínio da produção nos Estados Unidos nos principais veículos de comunicação, mas é certamente uma das maiores histórias econômicas deste século até agora. No ano de 2000, havia mais de 17 milhões de americanos que trabalham na produção, mas agora há menos de 12 milhões.

Então, o que os trabalhadores americanos deveriam fazer?

Eles estão prontos para aprender novas habilidades para os “empregos de amanhã”?

Uma das poucas áreas da economia dos EUA, que tem vindo a crescer tem sido o setor de saúde. Há hordas de Baby Boomers que estão envelhecendo, e eles vão precisar de um monte de cuidados médicos. Eu costumava dizer aos amigos que a enfermagem é um campo bom para se especializar, pois sempre haverá empregos disponíveis. De fato, em um ponto que foi dito que era supostamente uma “escassez” de enfermeiros nos Estados Unidos.

Bem, a CNN recentemente publicou um artigo sobre os graduados de enfermagem recentes que parecem não conseguir encontrar trabalho, não importa o quanto eles tentem. O trecho a seguir conta rapidamente uma dessas histórias de horror:

“Eu me formei na San Jose State University, em maio e tive a minha licença de enfermeira registrada em julho. Fui pesquisar e buscar uma posição por sete meses e ainda não encontrei um trabalho de enfermagem.”

“Tenho enviado currículos para toda a Califórnia e também para outros estados, como o Texas, Nevada, Oklahoma e Virgínia.”
Então, se você não consegue encontrar um emprego na área da saúde, para que campo que você deveria ir?

Por favor, não diga “direito”. Há hordas de diplomados competindo nessa área, por muito poucos empregos gerados a cada ano. Na verdade, um escritório de advocacia surgiu com a brilhante ideia de fazer jovens advogados pagarem uma taxa para ter o “privilégio” de adquirir alguma experiência jurídica.

Escassez

A verdade fria e dura é que não há empregos suficientes na América hoje. Como resultado, nossos rendimentos estão diminuindo. A renda familiar média nos Estados Unidos tem caído seguidamente nos últimos quatro anos. No geral, ele caiu por mais de US$ 4 mil durante esse período.

As coisas têm sido particularmente duras com os jovens americanos. É duro de acreditar, mas as famílias norte-americanas com chefes de família menores do que 30 anos têm uma taxa de pobreza de 37%.

O futuro simplesmente não parece muito brilhante para os trabalhadores americanos. Graças aos avanços da tecnologia e da fuga desenfreada de empregos, as grandes corporações simplesmente não precisam de trabalhadores norte-americanos tanto quanto antigamente.

Então, o que todos nós deveríamos fazer?

O que devemos dizer aos milhões de trabalhadores norte-americanos que não conseguem encontrar emprego?

Bem, eu acho que a boa notícia é que você pode encontrar placas com o símbolo “Aceitamos EBT”* em quase todos os lugares atualmente. Como o número de bons empregos diminuiu, o número de americanos que recebem cupons de alimentação absolutamente disparou.

É duro de acreditar, mas o número de americanos no programa que concede vales-refeições subiu de cerca de 17 milhões no ano 2000 para mais de 47 milhões hoje.

Isso é surpreendente, e é verdadeiramente sem precedentes.

Na década de 1970, cerca de um em cada 50 americanos estava nesse programa.

Hoje, cerca de um em cada 6,5 americanos recebe os cupons de alimentação.

O trabalhador americano está morrendo uma morte lenta e tortuosa, e a menos que uma ação dramática seja tomada de imediato, as coisas vão ficar muito pior.

Michael Snyder – Blog “The American Dream”


* EBT é a sigla para Eletronic Benefit Transfer, ou Transferência Eletrônica de Benefício, programa do governo norte-americano para auxiliar famílias em condições de pobreza. Trata-se de um cartão que pode ser usado na forma de moeda ou exclusivamente para a compra de comida.

Compartilhar: