Morre o grande Diego Maradona, aos 60 anos

Maior jogador da história do futebol argentino e uma lenda do futebol mundial, Maradona sofreu uma parada cardiorrespiratória em sua casa em Tigre, segundo o jornal argentino “Clarín”. Morreu nesta quarta-feira, aos 60 anos. Ele havia passado por uma cirurgia no cérebro no início do mês.

Campeão mundial na Copa de 1986, quando ficou eternizado pelos gols que marcou contra a seleção da Inglaterra, Maradona era reverenciado e tratado como deus na Argentina. Ao comentar seu famoso gol contra a Inglaterra disse que foi a “mão de Deus”.

O grande ídolo argentino não se destacou apenas no futebol. Foi também um ardoroso defensor das causas populares, crítico do imperialismo americano, amigo de Fidel Castro em Cuba e de Hugo Chávez, na Venezuela, ao lado de quem celebrou a morte da Alca após a Cúpula das Américas em 2005.

Diego Armando Maradona nasceu em 30 de outubro de 1960 em Lanús, na província de Buenos Aires. Reconhecido como um dos maiores jogadores da história do futebol mundial, ao lado de Pelé, o craque argentino começou a sua carreira no Argentinos Juniors, clube onde foi revelado e atuou entre 1976 e 1981.

Logo depois, jogou um ano no Boca Juniors e se transferiu para o Barcelona, onde atuou entre 1982 e 1984. De lá, foi para o Napoli, na Itália, onde ganhou uma Copa da Uefa, dois Campeonatos Italianos, uma Copa e uma Supercopa da Itália.

É uma morte que enluta o futebol e entristece os amantes do esporte e os defensores das causas democráticas e populares na América Latina e em todo o mundo.

Com informações do G1

Compartilhar: