Greve global pelo clima leva milhares de manifestantes às ruas contra mudanças climáticas

No Brasil foram organizadas centenas de manifestações. Em São Paulo haverá concentração nesta sexta (20) no vão do MASP (avenida Paulista) às 16 horas. Mais de 5 mil atos de protesto estão previsto pelo mundo.

A greve global pelo clima – que ocorre nesta sexta (20) em 150 países, incluindo o Brasil –, leva milhares de manifestantes às ruas. Eles exigem medidas concretas para frear as emissões de gases causadores do efeito estufa e combater o aquecimento global, segundo a organização dos atos. No Brasil, o protesto também se volta contra a reforma da Previdência e as políticas reacionárias do governo Bolsonaro.

  • Multidões se reúnem em pontos turísticos como o Portão de Brandenburgo, em Berlim, a Abadia de Westminster, em Londres, e a Candelária, no Rio de Janeiro (veja imagens abaixo).
  • O maior ato é esperado em Nova York (Estados Unidos), onde ocorrerá a Cúpula pelo Clima da ONU.
  • Dentre as principais pautas dos manifestantes estão as queimadas na Floresta Amazônica e na Indonésia, o aumento das temperaturas médias causado pelo aquecimento global e a redução das emissões de gás carbônico.
  • Jovens ativistas do clima como a sueca Greta Thunberg são expoentes nos protestos (leia mais abaixo).
  • Personalidades como o ator Leonardo DiCaprio e Dalai Lama convocaram manifestantes pelas redes sociais.

As manifestações ocorrem um dia antes da Cúpula pelo Clima, da Organização das Nações Unidas (ONU), que deverá ocorrer de 21 a 23 de setembro, em Nova York.

Greve pelo Clima: Na Alemanha, manifestante segura cartaz com frase sobre a Amazônia: 'A Amazônia não está queimando, está sendo queimada'. O protesto ocorre nesta sexta, 20 de setembro. — Foto: Wolfgang Rattay/Reuters
Protesto na Alemanha, o cartaz sugere que a “Amazônia não está queimando, está sendo queimada”

A Greve pelo Clima tem origem no “Fridays For Future” (Sextas-feiras Pelo Futuro, em inglês), que ganhou repercussão com a adolescente sueca de 16 anos Greta Thunberg.

Desde 2018, Greta falta às aulas nas sextas-feiras para protestar pelo clima. A iniciativa rendeu a indicação ao Prêmio Nobel da Paz e fez com que diversas outras greves se espalhassem pelo mundo. No Brasil, ao menos duas mobilizações tiveram repercussão nacional, uma em março e outra em maio.

Para esta sexta, estão programados mais de 5 mil eventos em todo o mundo em 150 países, incluindo o Brasil, em uma sequência que deve terminar com uma manifestação em Nova York.

A manifestação de Greta e a repercussão dos atos pelo mundo ocorrem porque 2020 é visto por especialistas como o ano chave no combate ao aquecimento. Isso porque as medidas que precisarão ser tomadas para manter o aumento das temperaturas médias globais abaixo de 1,5ºC até o final deste século, e as emissões de dióxido de carbono (CO2) reduzidas em 45% até 2030 precisam ser tomadas agora.

Fonte: G1

Compartilhar: