EUA provocam a China impulsionando venda de armas para Taiwan

Em decadência e com sua hegemonia colocada em xeque pela China, o imperialismo estadunidense eleva dia a dia as tensões entre as duas potências. A venda de armas à ilha chinesa, dominada por políticos subordinados aos EUA, é mais um capítulo do conflito geopolítico em curso, duelo típico de um tempo de transição na ordem mundial cujos desdobramentos para a economia e a paz mundial são imponderáveis.

Leia trechos da reportagem de Mike Stone e Patricia Zengerle sobre o tema, publicada na Reuters.

Os Estados Unidos planejam vender para Taiwan até sete sistemas de armas importantes, incluindo minas, mísseis de cruzeiro e drones, disseram quatro pessoas familiarizadas com as discussões, ao mesmo tempo em que o governo Trump aumenta a pressão sobre a China.

A tentativa de concretizar sete vendas de uma vez é um raro afastamento de anos anteriores, em que as vendas militares dos EUA para a ilha foram espaçadas e cuidadosamente calibradas para minimizar as tensões com a China.

Mas o governo Trump se tornou mais agressivo com a China em 2020. As relações entre Pequim e Washington estão em seu ponto mais baixo em décadas devido a acusações de espionagem, uma guerra comercial prolongada e disputas sobre a propagação do novo coronavírus.

Ao mesmo tempo, o desejo de Taiwan de comprar armas aumentou depois que o presidente Tsai Ing-wen foi reeleito em janeiro e tornou o fortalecimento das defesas de Taiwan uma prioridade.

Taiwan é a questão territorial mais sensível para Pequim. Historicamente a ilha pertence à China, é uma província chinesa onde as forças derrotadas pela revolução de 1949 se refugaram com apoio dos EUA.

Os EUA a concebem como uma mera extensão de suas bases militares e reforçam sua presença com base em uma operação batizada no Pentágono de “Fortaleza Taiwan”.

O Ministério da Defesa de Taiwan disse que o pacote relatado é uma “suposição da mídia” e que lida com as negociações e avaliações de compra de armas de uma forma discreta e confidencial, razão pela qual não poderia oferecer comentários públicos até que houvesse uma notificação formal dos EUA de qualquer venda ao Congresso.

Os militares de Taiwan são bem treinados e bem equipados, principalmente com hardware feito nos EUA, mas a China tem uma enorme superioridade numérica e está adicionando equipamentos próprios avançados. A reincorporação da ilha à próspera potência asiática é questão de tempo, mas pressupõe a derrota da estratégia do Pentágono na Ásia.

Compartilhar: