Consumo da China se recupera com abrandamento do surto da Covid-19

A China registrou aumento de emissão diária de faturas em todos os setores, indicando um forte ímpeto de recuperação do consumo, à medida que os casos transmitidos localmente da doença do novo coronavírus (Covid-19) continuaram a diminuir, informou um funcionário tributário na terça-feira.

A contagem média diária de faturas emitidas por empresas em todo o país na semana passada atingiu 82,3% da leitura no período comparável no ano passado, acima dos 76,1% na semana anterior e dos 20% em meados de fevereiro, disse Cai Zili, funcionário da Administração Geral de Impostos, em uma entrevista coletiva.

O valor nominal total das faturas emitidas em março para materiais agrícolas, incluindo sementes e materiais de cobertura, foi restaurado para mais de 89,3% e 88,4% do valor do mesmo período do ano passado, respectivamente, enquanto os fabricantes de fertilizantes fosfatados na Província de Hubei, a mais atingida pela COVID-19, passaram faturas com valor nominal equivalente a 78,5% do em março de 2019, segundo Cai.

Os setores intensivos em tecnologia registraram uma recuperação de vendas mais rápida do que outros, com as empresas nas plataformas baseadas na internet e serviços de transmissão de dados emitindo mais faturas na semana passada que no período comparável do ano passado.

A demanda de consumo reprimida foi liberada ainda mais, já que as faturas emitidas na semana passada para produtos de consumo, no varejo e atacado, chegaram a 92,9% do nível do ano passado, entre as quais as necessidades diárias como grãos principais, carne, aves, ovos e produtos aquáticos superaram o nível do mesmo período do ano passado.

As autoridades tributárias de todos os níveis se esforçaram para facilitar a retomada do trabalho, restaurando a cadeia de suprimentos, conectando, até segunda-feira, 45 mil fornecedores com mais de 2.600 empresas que precisam de matérias-primas com dados coletados e fornecidos com o consentimento dos contribuintes, disse Cai.

A recuperação do consumo, e por extensão da produção, é mais um sinal do sucesso da estratégia chinesa no enfrentamento da crise sanitária, que por lá e em todo o mundo desencadeou interrupção do crescimento e queda do PIB. Uma estratégia fundamentalmente diferente da que foi inicialmente advogada pelo neoliberalismo.

Fonte: Xinhua

Compartilhar: