Chega de miséria, balas e corrupção. Solidariedade internacional com a luta do povo boliviano

A democracia na Bolívia está cativa desde novembro de 2019, quando a direita racista local, a partir das ordens do império, derrubou o governo de Evo Morales para instalar um regime que tem sistematicamente usado a repressão com o objetivo de se apropriar do patrimônio e soberania do povo boliviano. A figura de Jeanine Añez expressa desde o primeiro momento essa aliança racista, camponesa e antipopular, que se confirma dia após dia: Nestes meses, os golpistas não deixaram de brincar com a vontade popular, ameaçando com o apelo de novo eleições e cancelando-as de acordo com seus interesses e horários.

As referidas eleições gerais sofreram vários adiamentos e o último acordo estabeleceu eleições para o próximo dia 6 de setembro. No dia 23 de julho, o Tribunal Superior Eleitoral do Estado Plurinacional da Bolívia, novamente adiou a data com a desculpa da pandemia.

No entanto, apesar das dificuldades, esse povo insultado, tateado e zombado, disse o suficiente. Desde segunda-feira, 3 de agosto, diversas manifestações populares do povo boliviano convocaram uma greve indefinida, cujo objetivo é exigir que as eleições sejam realizadas no país e que não continuem sendo adiadas de forma sistemática e ilegal com resoluções unilaterais. 

A resposta do regime foi o discurso ameaçador, o medo e a ativação de grupos paramilitares compostos por policiais-militares e jovens dos grupos fascistas da União Juvenil Cruceñista e da Resistência Juvenil Kochala, grupos que expressam sua máxima expressão aos setores membros colonizados da sociedade boliviana em defesa dos interesses da comunidade empresarial separatista e pró-imperialista, que agora são financiados e sob as ordens do governo de fato. O ministro Murillo é a face visível do aparato repressivo. Temível com seu povo, mas dócil com os jornalistas da rede CNN dos Estados Unidos.

Há uma semana os setores camponeses, indígenas, operários e juvenis se mobilizam nas estradas e nas ruas. Em cada bloqueio, assembleia e bandeira existe um único slogan: “Añez Fora”. Nenhuma ameaça do regime parou a luta. Nenhum dos manifestantes parou ambulâncias ou suprimentos médicos.

Ao mesmo tempo, o governo aproveita a intensificação do protesto para perseguir o MAS (Movimento Ao Socialismo), perseguir seus líderes e avançar neste processo de guerra judicial contra. O MAS é o instrumento político que as organizações populares na Bolívia construíram e a direita o conhece muito bem.

Da ALBA Movimentos estamos nessa luta pela democracia, saúde, vida e pelo Viver Bem. Consideramos o regime de Jeanine Añez, o ministro Arturo Murillo e os grupos de choque paramilitares responsáveis ​​por todos os atos de violência que ameaçam a vida de nossos irmãos e irmãs que exercem seu justo direito de protestar e exigimos respeito aos direitos humanos e as vidas daqueles que estão detidos e detidos.

Da mesma forma, denunciamos a mídia hegemônica, a OEA, as multinacionais saqueadoras e o governo dos Estados Unidos que querem roubar nossas vidas e nosso direito à autodeterminação e ao Viver Bem. Exigimos que as organizações internacionais se pronunciem sobre as perseguições políticas, judiciais, militares e policiais perpetradas pelo governo de fato da Bolívia contra as pessoas que lutam por seus direitos.

Da mesma forma, apelamos à opinião pública internacional para denunciar os abusos que a direita e o império estão cometendo na Bolívia, e pedimos às organizações populares, partidos, sindicatos, organizações de direitos humanos e movimentos anti-racistas que se solidarizem com o povo boliviano e se manifestem. em cada um dos países na medida de suas possibilidades e com o necessário cuidado coletivo.

Como organizações e movimentos sociais e políticos articulados na ALBA Movimentos, estamos à disposição das organizações e movimentos bolivianos para observar e garantir os processos eleitorais que se fizerem necessários.

Sempre em defesa da paz e da vida. Não esquecemos nossos irmãos e irmãs caídos em Senkata e Sacaba. Não esquecemos o massacre de Pando.

Democracia para a Bolívia!

Chega de racismo e repressão!

Movimentos ALBA

Compartilhar: