Alba organiza resistência contra o imperialismo

A Alba Movimentos, Aliança Bolivariana Para os Povos de Nossa América, reuniu entidades do movimento social brasileiro na tarde desta terça-feira (04/02) na sede nacional da CTB, em São Paulo.

Estamos inseridos num cenário mundial de ofensiva dos setores neoliberais e forças extremamente conservadores. São inúmeros Estados nacionais retirando os direitos sociais e impondo uma agenda ultraconservadora, como no Brasil, na Bolívia ou na França.

O encontro debateu a conjuntura da América Latina e do mundo, realizando um balanço da organicidade continental e das linhas políticas definidas na II Assembleia Continental da Alba.

Neste ano, a Alba convoca a Jornada de Lutas Anti-Imperialista, que deve ocorrer entre os dias 25 e 31 de maio. “A Jornada de Lutas Anti-Imperialista será obra de vários movimentos sociais internacionais. Visa mobilizações massivas, amplas e unitárias em uma ação coordenada internacionalmente contra o imperialismo e todas as suas formas de ação nos países atingidos pelo imperialismo”, afirma o secretário de Políticas Sociais da CTB.

A convocação dessa jornada de intensas mobilizações é uma resposta dos setores sociais (trabalhadores, mulheres, estudantes), contra a ofensiva imperialista e tem o objetivo de viabilizar uma grande unidade do campo popular e progressista contra a opressão do sistema capitalista.

A Escola Nacional Florestan Fernandes, em Guararema – SP, sediará a III Assembleia Nacional, preparando as lutas contra o neoliberalismo e a ofensiva imperialista dos Estados Unidos por todo mundo.

Sobre o calendário de lutas, Rogério afirma: “O Capítulo Brasil da Alba Movimentos espera realizar uma ampla mobilização no Brasil. Procuraremos incrementar nossa agenda própria do Brasil, como mobilização do dia 18 de março em defesa da Educação com a Jornada Internacional de 25 a 31 de maio.”

CONVOCATÓRIA À JORNADA INTERNACIONAL DE LUTAS ANTIIMPERIALISTA

Organizações populares, movimentos sociais, organizações políticas, redes e plataformas internacionais, reunidas em Havana durante os dias 1 a 3 de novembro de 2019, convocamos uma Jornada Internacional de Luta Contra o Imperialismo, durante a última semana de maio de 2020.

Vivemos tempos de grande incerteza sobre o futuro da humanidade e do planeta Terra. A lógica da acumulação do capital gerou uma desigualdade entre pessoas nunca vista antes. A crise internacional não é apenas uma simples crise econômica para fortalecer a reprodução do capital, mas é uma crise social, política, ambiental e dos valores sobre os quais as sociedades se consolidam hoje. Estamos diante de uma crise civilizatória que coloca em risco a própria vida no planeta Terra.

Diante disso, o capital busca manter suas taxas de lucro, avançando contra os direitos dos povos e na apropriação de ativos naturais estratégicos. É uma ofensiva que, por sua vez, retira a obsolescência dos estados
republicanos em defender os princípios de igualdade e soberania nacional e coloca democracias liberais em crise com base na predominância articulada entre grandes empresas de comunicação, poder econômico
transnacional concentrado e poder judiciário. O neoliberalismo não representa esperança nem oferece uma saída para a grande maioria de nossos povos. É nesse cenário que temos visto tentativas de fortalecer saídas autoritárias, racistas e xenófobas, tal como na Europa, nos Estados Unidos, no Brasil e na Índia.

Diante desse cenário, os povos estão resistindo em todo o mundo. A Revolução Cubana e a Revolução Bolivariana resistem bravamente à contraofensiva imperial que aprofunda o bloqueio econômico e apoia
tentativas ilegítimas de golpes e desestabilização contra os governos populares. Além disso, as ruas de vários países têm sido tomadas por milhares de pessoas que reivindicam seus direitos e viver com dignidade.

Temos visto mobilizações maciças no Chile, Equador, Peru, Colômbia, Haiti, Líbano, Argélia, Sudão, Espanha, África do Sul e muitos outros países.

Por tudo isso, estamos conscientes que devemos avançar para maiores níveis de articulação de nossas lutas e ações internacionais, reafirmando que os povos têm um inimigo comum: o imperialismo estadunidense
e o avanço do capital sobre nossos países.

Portanto, entre os dias 25 e 31 de maio de 2020, tomaremos as ruas com mobilizações massivas, amplas e unitárias em uma ação coordenada internacionalmente contra o imperialismo e todas as suas formas de ação em nossos países, em nossos territórios e em nossos corpos. Sabemos que nossos sonhos estão em nossas lutas e que nossa irmandade e unidade como povos fazem nossa força. Vamos unir nossas esperanças de construir um mundo onde todas e todos vivamos com dignidade!

Havana, 01 de novembro de 2019.
ASSINAM:

  1. Asamblea Internacional de los Pueblos
  2. Marcha Mundial de las Mujeres
  3. CLOC – Via Campesina
  4. Foro de São Paulo
  5. Jornada Continental por la Democracia y contra el Neoliberalismo
  6. ALBA Movimientos – Articulación Continental de los Movimientos Sociales y Populares hacia el ALBA

Por Angela Meyer

Compartilhar: