SINDIFORTE-PA: Trabalhadores do transporte de valores seguem em campanha salarial.

O Sindicato dos Trabalhadores em Carro Forte, Transporte de Valores e Escolta Armada do Estado do Pará – SINDFORTE-PA, filiado à CTB, em campanha salarial da categoria, trava árdua batalha na busca de negociações com os empresários do setor, na perspectiva de garantir a reposição da inflação, do período de março/2019 a fevereiro/2020, nos salários e no ticket alimentação e ganhos para a categoria, bem como busca melhores condições de trabalho e de prestação de serviços no setor aos paraenses.

“As negociações não avançam e pode levar os trabalhadores a uma greve por tempo indeterminado”, registrou Jonh Carvalho, Presidente do SINDFORTE-PA. No último dia 03/12, a categoria na empresa PROSEGUR, paralisaram das 5 às 18 horas, não saindo um único carro de transporte de valores nesse período. Carvalho reafirmou que “sabemos dos problemas e dificuldades que uma paralisação do setor traz a todos os paraenses”. Sem o transporte de valores os demais serviços sofrem com redução da capacidade operacional, “atingindo os bancos, comércios, indústrias e setores das grandes e pequenas cidades do Pará”.

Para o presidente Jonh Carvalho, no processo de negociações o Sindicato aceita na reposição salarial e no ticket alimentação a inflação com base no INPC, com o pagamento retroativo a 1º de março, início da campanha. A pauta foi apresentada no início de março, antes da pandemia.

O Presidente Jonh, ressalta que na pandemia a categoria “trabalha duro, correndo risco de perder a saúde e a vida, para não deixar faltar numerários nos caixas bancários, nas empresas, lotéricas e demais empreendimentos nos 144 municípios do Pará”. O setor não sentiu os efeitos da pandemia, teve elevação de trabalhos, más “na hora de negociar, não querem dar nada aos trabalhadores alegando a pandemia”, concluiu Jonh.

Carvalho informa que o SINDFORTE retomou as negociações em agosto e nas assembleias realizadas a categoria demonstra tensão e expectativa de garantir ganhos, já que o setor não foi atingido na pandemia, rejeitando a contraproposta patronal, de não reposição salarial e do ticket e não pagamento retroativo a março.

Na avaliação do dirigente sindical os ânimos da categoria estão acirrados, “há grandes possibilidades de uma greve da categoria de transporte de valores e da escolta armada no Pará”, completou o Secretário Geral do SINDFORTE-PA, Ronilson Sales.

A paralisação na empresa multinacional Prosegur, foi um contundente recado dos trabalhadores e do Sindicato por reajustes salariais e do ticket com retroatividade, contra a proposta de PDV (Plano de Demissão Voluntária) e da imposição de Acordo Individual de Trabalho, reafirmando a representatividade Sindical da categoria e o Acordo Coletivo de Trabalho.

Antônio Cláudio de Aquino, Secretário de Finanças do SINDFORTE-PA, concluiu “a categoria trabalhou muito durante a pandemia, até mesmo doentes e exaustos, colocando em risco a própria saúde e de seus familiares de contaminação e transmissão da Covid-19, precisam ser valorizados”, defendendo os reajustes com retroatividade.

Para João Júnior, Secretário de Comunicação do Sindicato, “é hora do reconhecimento e valorização da categoria”. E finalizou Jonh Carvalho se a patronal “quer guerra, nós não arredaremos da batalha na defesa da categoria”. Segue a campanha salaria, as negociações e paralisações nas empresas.

A Diretoria do SINDFORTE-PA agradeceu o apoio, na paralisação, das entidades como a CTB, SINTREBEL, SINTRAM, SEPUB e de todos e todas participantes.

Compartilhar: