Metalúrgicos de Caxias (RS) negociam fim do calor nas fábricas

Uma segunda reunião entre o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região e o sindicato patronal (SIMECS) aconteceu no final da manhã desta quinta-feira, 15, na Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego.

O Sindicato dos Metalúrgicos havia reivindicado uma convenção coletiva de medidas na primeira reunião ocorrida no dia 18 de dezembro (leia texto abaixo). No encontro desta quinta-feira, a resposta do SIMECS foi de que não é possível atender a solicitação, tendo em vista que a Convenção necessita de uma elaboração embasada em critérios técnicos e demanda tempo. Em contra partida, a entidade patronal está desenvolvendo um trabalho em parceria com as CIPA’s e com o apoio do SESI para diagnosticar empresa por empresa o impacto das altas temperaturas no ambiente de trabalho e exigir as adequações necessárias.

Para o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Claudecir Monsani, este trabalho é necessário e exige tempo, porém a situação requer medidas urgentes. “Precisamos de resoluções imediatas. É a saúde do trabalhador que está em jogo, há um desgaste muito grande, casos de desmaios em pleno expediente. É necessário colocar o ser humano em primeiro lugar”, enfatizou.

Diante do impasse, o gerente regional do MTE, que está fazendo a mediação das negociações, Vanius Corte sugeriu a criação de um documento que sirva como parâmetro para todas as empresas. Ficou acordado que tanto o SIMECS como o Sindicato irão enviar suas propostas de resolução e uma nova reunião será marcada para a formalização do documento na semana que vem. Um dos pontos destacados pelo Sindicato dos Metalúrgicos é a necessidade de intervalos de 10 minutos a cada duas horas durante o expediente para os trabalhadores da produção.

Fonte: Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região

Compartilhar: