Sintaema consegue barrar na justiça novas demissões na Sabesp

A audiência de conciliação entre a Sabesp e o Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (Sintaema) terminou sem acordo na tarde desta segunda-feira (16)(veja o termo). Em pauta estava uma liminar protocolada pelo Sintaema que pedia a imediata reversão das mais de 400 demissões efetivadas pela empresa desde fevereiro. O desembargador Wilson Fernandes determinou, ao constatar o desacordo, que a empresa está proibida de continuar a desligar funcionários até que a liminar seja apreciada pela Justiça. A reversão das demissões já concretizadas, por outro lado, dependerá do processo comum.

Na tarde da quarta-feira (18), os trabalhadores da Sabesp farão nova reunião no Sintaema para confirmar se seguem com a greve acordada no último dia 10. A medida foi aprovada com maioria esmagadora dos presentes na semana passada.

Área operacional em risco

“A Sabesp já demitiu 400 e pretende chegar aos 600, não podemos admitir isso, os trabalhadores são essenciais em todas as situações, e principalmente em um momento como este de crise hídrica”, disse o presidente do Sintaema, Rene Vicente. “Somos totalmente contra qualquer demissão. Os trabalhadores e a população não podem ser penalizados enquanto a Sabesp quer agradar e atender a demanda dos acionistas”, concluiu.

“Estamos num ponto em que existem colegas tendo que trabalhar 10, 12 horas seguidas por falta de mão de obra. A gente tem que ir até o local e ameaçar chamar o Ministério do Trabalho para a pessoa poder ir para casa descansar”, contou o diretor Anderson Guahy, do mesmo sindicato. Ele calcula que o número de demitidos já equivale a 2,6% do quadro de funcionários. Vicente acrescenta: “Mais de 80% dos demitidos são da área operacional. Não podemos admitir isso. Num momento de crise como agora, essa atitude agrava ainda mais a situação”.

Por Renato Bazan – Portal CTB

Compartilhar: