Em defesa de Lula, festival de música reúne 15 mil pessoas em Salvador

Mais de 15 mil pessoas participaram, neste domingo (25/08), em Salvador, de mais uma edição do Festival Lula Livre, que cobra a liberdade do ex-presidente Lula, preso há mais de 500 dias, em Curitiba (PR). Diversos artistas, da Bahia e de fora do estado, estiveram voluntariamente na festa, fazendo coro aos pedidos, no Farol da Barra, um dos cartões-postais da capital baiana.

Um dos participantes mais aguardados foi o paraibano Chico César, que, além de cantar os maiores sucessos da carreira, como ‘Mama África’, também aproveitou a ocasião para denunciar as arbitrariedades no Brasil. Para ele, Lula preso simboliza o momento histórico atual, em que o povo brasileiro é atacado.

“Estamos com ele, sempre. […] A injustiça feita contra ele também é feita contra os indígenas, contra os negros das periferias, com a polícia matando mais, absurdamente, contra as mulheres, a população LGBT, os trabalhadores, que estão perdendo direitos conquistados”, afirmou Chico César.

A cantora paulista Ana Cañas também fez uma apresentação no festival e denunciou o avanço do fascismo no Brasil, o que, para ela, está personificado na figura do presidente Jair Bolsonaro, a quem direcionou críticas. “Estado [é] fascista e esse presidente atual não nos representa. O Brasil não quer Bolsonaro na presidência”, disse.

Além de Chico e Ana, também estiveram no festival Manno Góes, Márcia Short, Ilê Aiyê, Cláudia Garcia, Sandra Simões, Ivan Huol, Nova Era, Cortejo Afro, Dão, entre outros.

Música e resistência:

O Festival Lula Livre é uma realização de diversas entidades de setores progressistas da sociedade. Entre elas, está a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), que, no evento, foi representada pela vice-presidenta estadual, Rosa de Souza. Para ela, os esforços para a organização da atividade com grandes nomes da música fazem parte da resistência.

“Nós precisamos resistir. E resistir simboliza também isso: que nós trabalhadores temos que ir para a nossa base alertar para essa mudança que o país está vivendo”, pontuou a vice-presidenta da CTB-BA.

Lideranças dos partidos de esquerda também estiveram no festival: do PCdoB, do PT, do PSB e do PCO. Representando o PCdoB, esteve a deputada estadual Olivia Santana. Segundo ela, o festival de música serviu para reafirmar que, o que está em jogo nas mobilizações pela liberdade de Lula, é a democracia. “A defesa da liberdade de Lula é, também, a defesa da democracia. Quem não entende isso não entendeu nada, não sabe o que está acontecendo nesse país. Nós queremos justiça, mas a verdadeira justiça”, disse a deputada comunista.

Fonte: PCdoB Bahia 

Compartilhar: