Educadores de Camamu (BA) estão em greve por salários atrasados

Educadores de Camamu (BA) protestam contra prefeito que não paga salários

Desde a quarta-feira (8), os trabalhadores e trabalhadoras em educação do município baiano de Camamu estão de braços cruzados em virtude do não pagamento do piso salarial além de melhores condições de trabalho e por melhorias nas escolas. A greve foi deflagrada porque a administração não cumpriu com o reajuste salarial referente ao Piso do Magistério. “Ressaltando que estamos tendo prejuízo salarial desde 2013 porque não recebermos o retroativo dos anos de 2013 e 2014 e mais a complementação de 2% do ano 2013. Recebemos o mês de dezembro e o 13º salário no mês de janeiro. Já o terço de férias recebemos em março todos no corrente ano”, disse Altair Manoel de Jesus, dirigente da APLB-Sindicato Delegacia Costa Leste.

A história

Em janeiro de 2013 o salário dos professores teve um ajuste de 7,97%, mas a prefeitura de Camamu não pagou o ajuste. A categoria foi às ruas e sete meses depois (agosto) o governo resolveu pagar 6% do Piso Salarial, deixando o retroativo de janeiro a julho e 1,97% do Piso para ser pago em outubro de 2013. E até agora não pagou.

Em 2014 não foi diferente, em janeiro o Piso Salarial teve um reajuste de 8,32%. E o prefeito, mais uma vez, não cumpriu a lei e não reajustou. Foram feitas inúmeras reuniões, diversas paralisações e mobilizações, contudo, “só conseguimos o benefício em julho, ficando retroativo de janeiro a junho para ser pago no decorrer do ano, já estamos em 2015 e não houve o pagamento do retroativo”, afirmou Altair.

Em 2015, a cena se repete o 13º só foi pago em 7 de janeiro e o salário de dezembro no dia 19 também de janeiro. O terço de férias dos professores foi pago no início de março e dos demais profissionais da educação no inicio de abril, o Piso Salarial até a presente data não foi reajustado. A situação das escolas está deplorável.

Fonte: APLB-Sindicato Delegacia Costa Leste

Compartilhar: