CTB-RS: SUS e políticas antirraciais dominam debates em encontro

O Encontro Estadual das Trabalhadoras Urbanas e Rurais da CTB-RS, que acontece anualmente no auditório da Fetag, completou sua quarta edição, nesta quinta-feira (6), com o tema Políticas Públicas no Movimento Sindical. Mais de 160 pessoas, na sua maioria mulheres vindas de diversas regiões do estado, participaram das palestras e atividades propostas com entusiasmo e atenção.

Na mesa de abertura, o presidente da Central, Guiomar Vidor, falou sobre a importância de se proporcionar debates sobre assuntos cotidianos com foco na figura feminina. “Buscamos com esse encontro proporcionar uma integração cada vez maior dos trabalhadores do campo e da cidade. Aproveita-se para discutir os problemas mais específicos que as mulheres enfrentam. Em primeiro lugar, a discriminação que existe na sociedade e no meio profissional. Sabemos que essa não é uma luta feminina, mas sim de todos, para que se consiga chegar à igualdade de gêneros. Por isso, a CTB tem desde o seu princípio fundatório recomendado que esse debate tenha prioridade dentro da nossa Central Sindical. Temos muito orgulho de reunir, todos os anos, centenas de participantes, que vêm se integrando a esse debate e construindo soluções. Nessa edição, as discussões giram em torno das políticas públicas no sindicalismo, com ênfase no SUS e na saúde da mulher. “Queremos também reafirmar nossa posição de que é inadmissível em pleno século XXI as mulheres ganharem 30% menos que os homens, mesmo que ocupando os mesmos cargos e exercendo as mesmas atividades. Esperamos que esses debates sigam acontecendo, não apenas nos Encontros, mas durante todo o ano”, afirmou.

Mulheres

Já a secretária de Mulher da CTB-RS, Lenir Piloneto Fanton, lembrou a trajetória que precedeu a independência feminina. “Durante muito tempo, os homens queriam que as mulheres ficassem em casa, sendo a ‘rainha’ do lar, mas precisando sempre obedecer e dar satisfações ao ‘rei’. Várias atitudes contribuíram para modificar essa situação, como a queima de sutiãs em praça pública. Hoje, após uma série incontável de manifestações e reivindicações, muitas mulheres conseguiram se tornar independentes. Segundo relatório do IBGE divulgado recentemente, 40% das famílias brasileiras depende de uma figura feminina. Contudo, muitas ainda não vivem essa independência. Precisamos trabalhar intensamente para manter o que conquistamos e lutar por mais melhorias e igualdade plena de gêneros”, defendeu Lenir.

A secretária de Mulher da Fecosul, Silvana da Silva, também participou da mesa de abertura e falou sobre as importantes melhorias implementadas pelos governos. “Tarso Genro valorizou a secretaria da Mulher de uma forma essencial e urgente. Para que esse projeto tenha continuidade foi extremamente importante reeleger a presidente Dilma, que além de representar as mulheres, defende constantemente causas sociais. As eleições passaram e precisamos ter a consciência de que apenas votar não basta. É necessário estarmos cientes do nosso papel enquanto cidadãos nos próximos quatro anos”, alertou.

O presidente da Fetag-RS, recém-eleito deputado estadual pelo PSB, Elton Weber, comentou sobre a alegria que, juntamente com a diretoria da Federação, sente em receber anualmente os encontros, e aconselhou todos a cuidarem de suas saúdes. “Fico muito feliz em recebê-los todos os anos. Acabamos de sair de um processo eleitoral e aproveito a oportunidade para firmar aqui com vocês o compromisso de atuar na Assembleia Legislativa ao lado da CTB e da Fetag. Passamos pelo Outubro Rosa e agora entramos no Novembro Azul, um período que se expõe a urgência de conscientizar os homens sobre a prevenção do câncer de próstata. Eu mesmo quando fiz 40 anos, passei a ir regularmente ao médico fazer exames preventivos. É preciso encarar a vida. As mulheres se cuidam mais e melhor, os homens precisam aprender isso com vocês”, finalizou.

O deputado estadual e futuro deputado federal também pelo PSB, Heitor Schuch, cumprimentou as mulheres presentes por meio da figura da vereadora Jussara Cony (PCdoB), que também participou do encontro. “Tenho um profundo respeito por ela, além de ser uma grande mulher, me ensinou muito nos quatro anos em que estive ao seu lado na Assembleia”, elogiou. A vereadora foi ao encontro com o grupo de poesia Vivapalavra, de que faz parte juntamente com a coordenadora Zaira Cantarelli, Cristina Bianco e Maria Helena Vidinoz. O grupo fez uma bela apresentação em que recitou poesias de autoria própria que versavam sobre vida, mulher e amor. As participantes vibraram com os textos e aplaudiram com entusiasmo as artistas.

Saúde

Logo em seguida, começou a palestra “Saúde das Mulheres: 25 anos do SUS”, mediado pela presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de São Valentim do Sul, Sônia Bertuzzo, e apresentada pela Coordenadora das Mulheres da Fetag, Inque Schneider. A explanação iniciou com uma breve retrospectiva da origem do Sistema Único de Saúde. “O SUS fez surgir uma nova perspectiva social por reconhecer todos com direitos iguais à saúde. Houve investimentos na área feitos por municípios, estados e governo federal”, relatou Inque. A coordenadora também apresentou uma análise dos avanços ocorridos desde a época em que José Sarney era o presidente do Brasil até, atualmente, com Dilma Rousseff. “Desde a criação do SUS, os presidentes propõem avanços, fazem isso porque assim determina a Constituição. Agora, precisamos lutar para que a saúde chegue para todos os trabalhadores rurais e urbanos”.

Atualmente, 140 milhões de brasileiros dependem integralmente do SUS. O Sistema, contudo, ainda atende um número elevado de pessoas que enfrentam algum tipo de problema com a rede privada. Segundo Inque, os indigentes sanitários sumiram graças ao SUS, que só no último ano realizou 12 milhões de internações e 200 mil cirurgias de coração. Além disso, entre os anos de 2000 e 2010, a taxa de mortalidade caiu 40%. “A história e os cemitérios nos mostram quantas crianças morriam logo após o nascimento, antigamente. Hoje, a situação muito felizmente é outra. Contudo, existem desafios que devem ser encarados por nós para que se aponte meios para resolver ou pelo menos diminuir as deficiências, como regulamentar leitos e se preparar para enfrentar a população com mais de 60 anos que vai dobrar daqui a duas décadas”, salientou Inque. Após a palestra, as participantes fizeram intervenções relembrando situações em que utilizaram o Sistema, sempre relatando boas experiências.

Igualdade Racial

Após o intervalo do almoço em que foi servido o tradicional carreteiro da Fetag, oferecido pela federação, as participantes assistiram a apresentação cultural do músico Cristiano Nichelle, que cantou releituras de canções românticas. A parte da tarde foi dominada pela palestra “Política Afirmativa Antirracial”, mediada pela secretária-geral do Sindicato dos Sapateiros de Campo Bom, Jaqueline Aurélia Diesnstmann, e ministrada pela secretária de Políticas de Promoção de Igualdade da CTB Nacional, Mônica Custódio. “O machismo e o sexismo devem ser trabalhados de maneira mais efetiva. Não vamos superar o racismo se não existirem mais negros na política. O mesmo ocorre com as mulheres, para erradicarmos a desigualdade de gêneros. Precisamos de mais mulheres trabalhadoras e menos preconceituosos no Congresso. O ano de 2015 nos espera para lutarmos por essas questões. Nós, mulheres, estamos construindo nossa emancipação, mas sabemos que não conseguiremos isso sozinhas e também não queremos conseguir isso sozinhas. Queremos uma parceria para alcançar essa conquista”, afirmou a secretária. Em seguida, Mônica lançou a revista da CTB, Rebele-se.

No final da palestra, diversas participantes se manifestaram. Algumas falaram sobre a necessidade de acabar com o preconceito e que isso começa dentro de casa educando os filhos. Outros citaram a importância da unidade de homens e mulheres para mais conquistas. O debate se estendeu até às 16h.
A atividade foi encerrada pela secretária da Mulher da CTB-RS, que propô às participantes retornarem ao 5º Encontro, em 2015. Todas concordaram. Em seguida, o vice-presidente da CTB-RS, Sergio de Miranda, cumprimentou todas. “Esses encontros propiciam conhecer o problema do outro, e assim lutar com mais unidade. Parabéns pelo evento”, concluiu, puxando o canto “CTB a luta é para valer”.

Da CTB-RS

Compartilhar: