CTB Pará realiza seu 3° Conselho Estadual

A CTB Pará realizou, na última sexta-feira dia 22/11, o seu 3º Conselho Estadual, com a presença de várias lideranças sindicais e políticas, entre estes os vereadores pelo PCdoB, os professores Alfredo Borges (São Miguel do Guamá) e Gilson Dias (Marabá).

No ato de abertura o presidente da CTB Pará, o professor Cleber Rezende, repudiou os ataques do governo Bolsonaro a classe trabalhadora, fazendo referência ao lançamento do “Plano Mais Brasil”, que traz um vasto conjunto de medidas divididas em três PEC’s: do Pacto Federativo, Emergencial e dos Fundos Públicos, todas com a lógica de desvincular, desobrigar e desindexar o orçamento público dos entes federados.

Rezende, ainda fez referência a Medida Provisória 905/19, que institui o Contrato de Trabalho Verde e Amarelo, avaliando que não deverá criar os empregos em quantidade e qualidade necessárias para reduzir os altos índices de desempregos no Brasil. Ao contrário, pode promover a rotatividade, com o custo adicional de reduzir direitos e ter efeitos negativos para a saúde e a segurança dos trabalhadores.

Lucileide Reis, vice-presidenta da CTB Pará e presidenta da FETRADORAM, ressaltou que devemos pautar é a retomada do crescimento econômico, no entanto, Bolsonaro implementa arrocho nas despesas públicas, verdadeiro austericídio fiscal que aumenta as desigualdades sociais e acentua a crise econômica, com graves impactos sobre a pobreza e o emprego, precarizando a relação entre Capital e Trabalho.

O dirigente da CTB e do Sindicato dos Bancários do Pará, José Marcos – Marcão, apresentou o documento orientador do 3° Conselho Nacional da Central e destacou que o governo busca acabar com o pacto firmado na Constituição de 1988 e as consequências serão drásticas ao país e ao povo brasileiro, em especial aos mais vulneráveis. Bolsonaro e Guedes têm como objetivo estratégico a privatização das empresas e dos serviços públicos, entregando-os às grandes corporações e ao capital financeiro.

O Dr. João Victor, advogado trabalhista do escritório J. J. Geraldo, afirmando que a reforma trabalhista de 2017 foi ampla na desregulamentação e retirada de diversos direitos relativos às condições de trabalho e as relações sindicais, e que a Reforma Sindical segue a lógica de aprofundar a política de desmonte e precarização brutal das condições de trabalho e busca enfraquecer os sindicatos com a pluralidade, e afirmou que a CTB está correta na defesa da unicidade sindical.

Jorge Panzera, presidente do Partido Comunista do Brasil e da Imprensa Oficial do Estado do Pará (IOE-PA), disse que para nós do PCdoB é fundamental construir uma sociedade diferente e liderada pela classe dos trabalhadores, para nós a presença política e a luta dos trabalhadores é uma luta fundamental no processo intenso de mudança no chamado Mundo do Trabalho.

Panzera ressaltou que a CTB tem um papel importante, investe na luta dos trabalhadores, na organização dos sindicatos, na luta de cada uma das categorias, a CTB desde a sua fundação tem na sua raiz a construção de uma Central Sindical classista, é um organismo que constrói um projeto, não só na luta sindical, mas na perspectiva de uma sociedade liderada pela classe dos trabalhadores, a CTB pensa e constrói um projeto para mudar a sociedade brasileira e defende um projeto de nação mais próspero e solidário.

A plenária final aprovou o texto base e uma plataforma de plano de lutas da Central no chamado Mundo do Trabalho e Sindical paraense. Fez ajuste na direção com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Civis do Estado do Pará (SEPUB), Marcos Afonso Pinheiro, assumindo a Secretaria Geral da Central e a Secretaria de Finanças passando a ser comandada pelo tesoureiro Sindicato dos Trabalhadores em Transporte de Valores e Escolta Armada do Pará (SINDFORTE), Antônio Cláudio Aquino, já o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil Leve e do Mobiliário dos Municípios de São Miguel do Guamá e Irituia (SINTIMIG), Genivaldo Gil, assumiu a Secretaria de Esporte, Lazer e Eventos e a pedagoga de base do Sintepp, Márcia Pinheiro, a Secretaria de Relações Sindicais. Terminando o evento com uma confraternização pelas lutas desenvolvidas em 2019.

Compartilhar: