CTB-MG: Defender os Correios é defender o Brasil

Os(as) trabalhadores(as) dos Correios estão em Greve desde às 22h de segunda-feira (17). O movimento é contra a retirada de direitos e a privatização da empresa. O Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Correios de Minas Gerais (Sintect-MG) denuncia que o governo Bolsonaro pretende rebaixar em até 60% o poder de compra dos trabalhadores.

“Exigimos a preservação do último Dissídio da categoria, julgado em outubro do ano passado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), com vigência de dois anos, reeditando as cláusulas do Acordo Coletivo 2018/2019”, explica o sindicato.

Desde que Bolsonaro assumiu o governo, em 2019, os trabalhadores têm acumulado perdas históricas. Logo no primeiro ano, o presidente acabou com a política de ganho real do salário mínimo.

Os funcionários públicos também viraram alvo. Nesse caso, a estratégia desse governo entreguista é sucatear as empresas públicas para, em seguida, vendê-las a preço de banana à iniciativa privada. Além dos Correios, estão na mira outras estatais como a Eletrobrás e o Banco do Brasil.

É importante lembrar que os Correios prestam um serviço essencial para a população. A empresa entrega livros didáticos nas escolas públicas, remédios nos hospitais, urnas eletrônicas, além de oferecer serviço bancário nas regiões mais distantes e, na maioria das vezes, ignoradas pelas empresas privadas. Portanto, mais que um serviço de logística, a empresa cumpre um papel social.

Ao contrário do que diz o governo, a estatal não dá prejuízo. O Correio é o maior distribuidor de mercadorias compradas na internet e, por ser uma empresa pública, consegue oferecer os melhores preços. O problema é a sua má gestão.

Se a empresa for privatizada, quem vai pagar o “pato” é o povo. O Sindicato da categoria destaca alguns retrocessos: aumento no preço das tarifas, fim dos serviços nos pequenos municípios, obrigando essa população a viajar para cidades maiores; redução das compras pela internet devido aos custos altos, o que prejudica consumidores e empresários, além da demissão de cerca de 100 mil funcionários.

Por isso, a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil em Minas Gerais (CTB-MG) apoia integralmente os trabalhadores dos Correios. Defender a empresa é defender o Brasil.

Vamos todos defender os empregos, salários, direitos, contra a privatização e, acima de tudo, em defesa das vidas.

A vida vale mais que o lucro.

CTB, a luta é pra valer!

Foto: Luis Rocha

Compartilhar: