CTB-MA conclui planejamento estratégico para 2014

Dirigentes e sindicalistas filiados à CTB-MA concluíram o primeiro Planejamento Estratégico Situacional (PES) da entidade. Reunidos desde a última quarta-feira (29), na Casa das Irmãs da Misericórdia (Turu), eles saem da experiência comprometidos em seguir, passo a passo, o plano estratégico de ações construído pelos próprios participantes para ser aplicado nos próximos 12 meses de atividades da Central.

“O planejamento foi importante para a CTB por ser construído de forma coletiva e democrática, definindo ações para uma atuação estratégica em 2014”, diz o presidente estadual da entidade, Júlio Guterres.Para ele, um dos maiores desafios da entidade é fazer a CTB Maranhão ampliar sua área de influência com a filiação de mais sindicatos filiados. Por isso, a CTB terá que fazer a lição de casa do PES: “priorizar” as prioridades, que são recursos, formação, infraestrutura e comunicação.

Guterres explica que a parte do PES sobre gestão sindical, orientada pelo advogado e diretor da CTB nacional, José Geraldo Santana, foi uma forma de levar sindicalistas a ter contato com essa experiência.

Secretária de Formação da CTB-MA e coordenadora do PES, Benedita Costa, acentua que o planejamento será fundamental para a realização das ações da entidade porque, a partir do levantamento da situação e dos problemas da Central, constrói a busca de soluções. “O PES é reflexivo: avalia o que se fez até aqui e os próximos passos que devem ser dados”, resume Benedita, salientando que foi importante também ter que a Central foi analisada com o olhar de pessoas de fora.

A coordenadora do PES destaca a metodologia participativa do Centro de Estudos Sindicais (CES) com base na ideia de Carlos Matus: quem planeja é que executa, assim os sindicalistas participantes “conhecem como a CTB funciona e saem do planejamento comprometidos em fortalecer e fazer crescer a Central”.

Uma direção para seguir

Nesses três dias isolados para avaliar as ações da CTB, antes do PES, e planejar os próximos passos, em 2014, sindicalistas tomaram consciência de que é preciso ter um direcionamento para atingir a meta, posicionando-se diante das ações.

Dirigente da CTB e do STR de São Luís, Sigisnando Rodrigues, diz que com a capacitação, sente-se mais preparado para o cotidiano do movimento sindical, principalmente os trabalhadores rurais que, na opinião dele, são os que mais enfrentam problemas. Prova do saldo positivo do planejamento estratégico da CTB é a firme decisão de Sigisnando juntar-se a outros sindicalistas rurais para amadurecer a ideia de fazer o PES dos sindicatos de trabalhadores rurais. “Isso o mais rápido possível”, adianta ele.

Sindicalismo e visão de mundo

Advogado militante que defende exclusivamente trabalhador, José Santana falou com certa profundidade sobre o panorama do trabalhador brasileiro, antes e depois da Constituição de 88, salientando os avanços como o salto do valor que o salário mínimo alcançou, chegando aos atuais 300 dólares.

Em vários momentos, Santana provocou a reflexão política dos sindicalistas, mostrando como a visão de mundo influencia a maneira de agir das pessoas, citando, por exemplo, um político: “Se Aécio Neves for presidente, que o salário mínimo vai continuar tendo reajustes, como nos governos Lula e Dilma”, pergunta, lembrando que, da mesma forma, é a gestão sindical, que evidencia uma visão de mundo.

Conceitos como convenção coletiva, sindical e leis sobre reconhecimento das convenções também foram abordadas pelo palestrante, com destaque para a dificuldade de trabalhadores ganharem processos trabalhistas.

“Só é forte o sindicato que tem um departamento jurídico forte. No enfrentamento com os patrões, o jurídico é uma das peças mais importantes”, afirma Santana, acentuando que “o advogado sindical tem de ter lado, do contrário, não serve para o sindicato”. Também não serve para o sindicato, segundo ele, o sindicalista personalista.

Sinproesemma

Compartilhar: