Conselho Municipal de Saúde de BH sugere ao prefeito da capital, Alexandre Kalil, o lockdown imediato da cidade

Em função da ocupação recorde dos leitos de enfermaria e de CTI destinados aos pacientes com Covid-19, que se aproximam da taxa de 100%, o Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte (CMSBH) enviou nesta sexta-feira, 3, ao prefeito da cidade, Alexandre Kalil, uma recomendação para que seja decretado imediatamente o lockdown na capital.

A ocupação dos leitos de CTI está em 87%, mesmo com a abertura de mais 30 leitos entre segunda e quinta-feira, e a ocupação dos leitos de enfermaria chegou em 73%. Ambos indicadores são considerados “vermelhos” pelos critérios do Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus em BH e, portanto, configuram-se indicações técnicas para o lockdown. Somam-se a esses fatores a evidente operação em sobrecarga do SAMU e das UPAs em BH que aumentam o risco de mortes de usuários atendidos.

A recomendação feita ao prefeito está em acordo com a Resolução 465/20, aprovada pelo plenário do CMSBH, com participação de usuários do SUS, trabalhadores e gestores – incluindo diretores de importantes hospitais da Capital. Essa resolução também reivindicou à Prefeitura aumentar o número de leitos em hospitais públicos e, se necessário, comprar leitos de CTI em hospitais privados da cidade – medidas já adotadas pelo município. Além disso, a mesma resolução solicitou a abertura imediata do Hospital de Campanha do Governo Estadual, o que ainda não ocorreu.

O Conselho de Saúde entende que, apesar de ser uma medida drástica, é a alternativa mais adequada para reduzir a taxa de ocupação tanto nos leitos de CTI e enfermaria, e evitar, assim, a morte por desassistência de usuários e usuários do SUS na capital mineira.

Fonte: Conselho Municipal de Saúde de Belo Horizonte (CMSBH)

Compartilhar: