Cesta básica: Sindicato dos Vigilantes vai ajuizar ações na Justiça contra empresas que têm descumprido a convenção coletiva

O Sindicato dos Vigilantes de Minas Gerais, por meio do seu Departamento Jurídico, vai ajuizar ações na Justiça do Trabalho contra as empresas que vêm descumprindo a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) no que diz respeito ao fornecimento da cesta básica.

“No mês passado, notificamos diversas empresas, denunciadas por trabalhadores e trabalhadoras e exigimos o cumprimento da CCT. Também fiscalizamos as distribuidoras e alertamos sobre a falta e troca de produtos, má qualidade e peso a menor dos alimentos da cesta. Mas, diante da insistência de algumas empresas em descumprir a Convenção e desrespeitar seus empregados, a alternativa que resta é acioná-las judicialmente”, esclarece o presidente do Sindicato, Edilson Silva.

Dentre as empresas que serão denunciadas, estão a Colabore, Esparta, Gol, Olimpo, Plantão, Segex, TBI e a Verzani & Sandrini. Se a empresa em que você trabalha não tem cumprido com a obrigação de lhe fornecer uma cesta básica de qualidade, denuncie ao Sindicato: (31) 3270-1300.

“O recebimento da cesta básica é um direito dos vigilantes, que a patronal tentou a todo custo retirar dos trabalhadores e trabalhadoras durante as negociações da Campanha Salarial deste ano. Por isso, devemos valorizar a manutenção dessa conquista de tantos anos e cobrar dos patrões seu cumprimento”, reafirma Silva.

O valor da cesta básica em 2021 é de R$ 131,87 e deve conter:

– 10 quilos de arroz tipo 1;
– 3 quilos de feijão tipo 1;
– 10 quilos de açúcar cristal;
– 4 latas de óleo de soja de 900 ml;
– 1 lata de extrato de tomate de 350 gramas;
– 1 quilo macarrão com sêmola;
– 500 gramas de café;
– 5 tabletes de sabão de 200 gramas;
– 1 quilo de fubá;
– 1 quilo de sal refinado;
– 500 gramas de goiabada;
– 1 lata de sardinha de 130 gramas;
– 1 lata de salsicha de 180 gramas;
– 400 gramas de achocolatado.

Fonte: Imprensa do Sindicato

Compartilhar: