Centrais sindicais farão manifestação dia 11 de julho em Itabuna (BA)

Representantes da CTB, da Força Sindical e da CUT, em Itabuna, no sul da Bahia, se reuniram na manhã da segunda-feira (01), na sede do Sindicato dos Rodoviários, em Itabuna, e definiram a realização de uma manifestação no Dia Nacional de Luta com Greves e Mobilizações, atividade que ocorrerá em vários cantos do Brasil no próximo dia 11 de julho. Em Itabuna, os trabalhadores se concentrarão a partir das 14 horas, no Jardim do “O”, saindo em caminhada até a Praça Adami, onde será realizado um ato político.

O objetivo da manifestação é pressionar o governo e o empresariado a aprovar a pauta de reivindicações da classe trabalhadora, mas não se trata de um protesto contra o governo. “Se no governo Dilma temos dificuldades em pautar as demandas dos trabalhadores, num governo de direita não teremos chance alguma”, afirmou o vereador Jairo Araújo (PCdoB), que também é dirigente da CTB.

Vale ressaltar que está em tramitação o PL 4330, sobre terceirização. Se aprovada, O projeto permite a prática da terceirização de serviços em todas as atividades das empresas e órgãos públicos, sem limites à atividade-meio, sendo considerado, por isso, um atentado à dignidade do trabalhador brasileiro e uma forte ameaça à organização impessoal da administração pública.

Os representantes das centrais foram unânimes ao afirmarem que o movimento sindical deve surfar na onda de protestos que tomou conta do país.

Segundo Arlensen Nascimento, presidente do Sindicato dos Rodoviários de Itabuna e dirigente da Força Sindical, o momento é oportuno para a realização da atividade. “Como representantes dos trabalhadores, nós não podemos deixar este momento passar em branco”, avaliou o sindicalista.

Já o diretor do Sintesi, João Santos, ligado à CUT, ressaltou que o povo nas ruas têm conseguido pautar as decisões do legislativo, do executivo e até do judiciário, tanto é que a PEC 37 foi derrubada. “Nós (trabalhadores) temos várias PECs paradas no Congresso, como as que se referem às 30 horas para os profissionais de enfermagem e à redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, que precisamos incluí-las na pauta do Congresso”, defendeu o cutista.

Na opinião do coordenador regional da CTB e presidente do Sindicato dos Comerciários, Gilson Costa, considera que as manifestações são positivas e até impulsionam a luta dos trabalhadores, mas nega que o movimento sindical estivesse adormecido. “Sempre estivemos na vanguarda das lutas dos trabalhadores e do povo brasileiro. Resistimos durante a ditadura, estivemos nas Diretas Já, no Fora Collor e recentemente levamos mais de 50 mil trabalhadores a Brasília, na 7ª Marcha das Centrais. Estas bandeiras são nossas também”.

Para os organizadores é importante que outros movimentos, como estudantil, negro, LGBT, de moradores, de gênero, e até partidos políticos comprometidos com a luta dos trabalhadores, participem da atividade. “A luta dos trabalhadores é a luta do povo brasileiro, por isso vamos precisar de todo mundo”, finalizou Gilson Costa.

Confira abaixo as bandeiras de luta:

– Fim do fator previdenciário
– 10% do PIB para a Saúde
– 10% do PIB para a Educação
– Redução da Jornada de Trabalho para 40h semanais, sem redução de salários
– Valorização das Aposentadorias
– Transporte público e de qualidade
– Reforma Agrária
– Mudanças nos Leilões de Petróleo
– Rechaço ao PL 4330, sobre Terceirização.

Propostas incluídas pelos movimentos sociais:

– Reforma política e realização de plebiscito popular
– Reforma urbana
– Democratização dos meios de comunicação. 

Denúncias

– O genocídio da juventude negra e dos povos indígenas.
– A repressão e a criminalização das lutas e dos movimentos sociais.
– A impunidade dos torturadores da ditadura.
– Somos contra aprovação do estatuto do nascituro
– Somos contra a redução da maioridade penal.

 

Compartilhar: